Electrolux fecha fábrica na Alemanha até 2007

A fabricante de eletrodomésticos da Suécia, Electrolux, anunciou o fechamento de sua fábrica em Nuremberg, na Alemanha, previsto para ocorrer até o final de 2007. Com o fim das operações da unidade alemã, 1.750 empregados serão demitidos naquele país. A empresa divulgou que a decisão foi tomada após seis meses de estudo com relação aos custos trabalhistas e os ganhos na fábrica da Alemanha.
A previsão é de que as operações realizadas naquela fábrica sejam transferidas para a Polônia e a Itália, onde serão produzidos especialmente máquinas de lavar e secadoras de roupa.
Há ainda a possibilidade de fechar a fábrica na cidade de Torsvik, na Suécia, onde trabalham atualmente 190 empregados. O chefe da unidade de produção de aparelhos para a Europa, Ásia e Pacífico, Johan Bygge, afirmou que essa foi “uma das decisões mais difíceis que já tomei em meu tempo na Electrolux. Tenho consciência de que essa decisão irá afetar, de modo muito negativo, muitas pessoas, suas famílias e parentes”, afirma.
Segundo o executivo não foi encontrado outro modo para reduzir o alto custo da fábrica de Nuremberg. A empresa informou ainda que os gastos com o fechamento da fábrica serão da ordem de US$ 290,9 milhões, a ser computado como encargos no quarto trimestre deste ano.

Artigo anteriorFalou!
Próximo artigoReescrever o passado
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.

Balanço melhor que o esperado da Petrobras anima mercado nacional

Hoje, no exterior, Bolsas mundiais operam sem direção única.

O futuro está nas criptomoedas?

Quarta foi de intensa volatilidade nos mercados externos; por aqui com justificativa, ainda em função do imbróglio de Petrobras e Eletrobras.

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.