Eleição de 2020 nos EUA é a mais cara da história: US$ 14 bilhões

Novo valor é equivalente a um quinto de todo o orçamento do Departamento de Educação dos Estados Unidos.

Internacional / 20:53 - 30 de out de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A atual campanha eleitoral nos Estados Unidos, de US$ 14 bilhões, é a mais cara da história. A afirmação foi feita, nesta sexta-feira, pela organização Center for Responsive Politics, responsável pela contabilidade de doações e despesas políticas.

O novo valor, equivalente a um quinto de todo o orçamento do Departamento de Educação dos Estados Unidos, supera em muito os cerca de US$ 6,6 bilhões gastos na campanha eleitoral de 2016. O valor ultrapassa as estimativas que eram de cerca de US$ 11 bilhões. A principal causa é o fluxo de doações nos últimos meses de campanha.

Os momentos-chave para aumentar seus recursos vieram após o anúncio de que a senadora Kamala Harris seria a vice-candidata presidencial de Biden, no dia do encerramento da Convenção Nacional Democrata em agosto e em setembro, um dia após a morte de Suprema Justiça Ruth Bader Ginsburg.

Os números também mostram que os democratas levantaram mais fundos para seus candidatos do que os republicanos. Joe Biden lidera o recurso arrecadado por sua equipe de campanha, enquanto Trump está estagnado desde julho.

A origem desse aumento monetário também é dividida geograficamente: Biden obtém mais recursos nos estados da costa leste e oeste, enquanto Trump obtém recursos dos estados centrais do país.

Ambas as campanhas mudaram a forma como gastam esses recursos obrigatórios, em parte devido ao avanço da pandemia do coronavírus. Ambos os candidatos reduziram suas despesas de viagens para aumentar os gastos com anúncios de mídia e estratégias online.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor