Eleições de 2016 e além

O noticiário óbvio disparado pelos grandes meios de comunicação sobre a derrota do PT mal consegue arranhar o significado e os desdobramentos da eleição deste domingo. “Só tem algo mais chato do que uma derrota: os epitáfios escritos pelos inimigos, adversários e falsos amigos”, lembra Valter Pomar, militante da ala petista mais à esquerda. A insistência conservadora é tamanha que faz pensar se o esfarelamento do PT foi o esperado, após um ano e meio de desastroso segundo Governo Dilma, dois anos de Lava Jato e a prisão de dois dos mais importantes ex-ministros do partido às vésperas da eleição. O partido, contrariando as pesquisas, chegou ao segundo turno em Recife e por pouco Haddad não obteve o mesmo feito em São Paulo. Na capital paulista, há também a expressiva votação de Eduardo Suplicy e a conquista de dez cadeiras na Câmara. Quantos partidos sobreviveriam a tamanha devassa? Espera-se um recrudescimento da caça à jararaca.

Significativo no xadrez de 2018 foi a vitória de Geraldo Alckmin com seu preferido no primeiro turno, o que aumenta a tensão interna no PSDB. Aécio já falava, nesta segunda, em prévias no partido; FHC deve ter visto mais distante seu sonho de voltar à Presidência ano que vem, por via indireta; e Serra começa a pensar se vale a pena o desgaste de ficar no combalido Governo Temer. O PMDB, por sua vez, pergunta-se o que sobrará para ele daqui a dois anos. Se a Velhinha de Taubaté já perdeu as esperanças de uma retomada a partir de 2018, restará a conta da eliminação de direitos da população. O candidato do PSDB – qualquer que seja – ficaria tentado a abandonar Temer e parceiros, escolhendo outro partido para ocupar a vice na chapa.

Além de tudo isso, há o recado claro das urnas – até Temer ouviu, apesar da tentativa de incluir-se fora dele: desde 2013 a população pede mudanças; o fim do mais do mesmo; na linguagem das elites, não dá para manter o business as usual. Votos brancos, nulos e abstenções superaram os primeiros colocados em nove capitais, Rio e São Paulo inclusive. Um movimento que consiga abraçar esta mistura de indignação com indiferença, como fez o Podemos na Espanha, pode implicar mudanças significativas no quadro político tradicional. Com mais dois anos de crise, PT, PMDB, PSDB e demais podem ser varridos de forma igualitária.

Toque de Midas; só que não

Nas duas principais capitais do país, Rio e São Paulo, a associação com o presidente Michel Temer e suas políticas de destruir direitos da população enterraram as candidaturas do PMDB. Em São Paulo, Marta Suplicy admitiu o problema uma semana antes da eleição, quando sua candidatura começou a mostrar nas pesquisas o que ela já sentia nas urnas.

No Rio, a associação com Temer não foi o único motivo de o candidato de Eduardo Paes não ter conseguido nem ao menos chegar ao segundo turno; a falência do governo do estado, dos também peemedebistas Sergio Cabral e Pezão, teve influência. Há também a questão pessoal de Pedro Paulo, que não conseguiu se livrar da fama de agressor de mulheres, por mais que exibisse sentenças dos tribunais, que o inocentariam. Mas somente o desgaste da proximidade com Temer explica o insucesso de Paes, após a realização exitosa dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e do final das obras na cidade que tanto transtornos trouxeram aos cariocas.

Temer conseguiu afundar a candidatura à reeleição do prefeito de sua cidade natal, Tietê (SP). Manoel David (PSD) passou os quatro anos do mandato exaltando a proximidade com o então vice-presidente e atual presidente da República. Até monumento, com versos de Temer, David inaugurou em praça central. Acabou batido pelo candidato do PSDB.

Renovação

O Shopping Jardim Guadalupe (RJ) anunciou um investimento de mais de R$ 1 milhão em um pacote de ações que incluem a revitalização do Pátio Guadalupe, além de promoções e eventos gratuitos em parceria com marcas como Warner, Nick Jr e Playmobil. As ações serão implementadas até o final de 2016 e têm como objetivo criar um espaço mais moderno e confortável para o público de 1,2 milhão de moradores das imediações.

Rápidas

A Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ e o Portal Consultoria em Turismo realizam oficina gratuita sobre Marketing Turístico, nesta quarta, das 14h30 às 19 horas, no Hotel Copacabana Praia (Rua Francisco Otaviano, 30). Com o apoio da Sergio Castro Imóveis, Fundação Cesgranrio e Preservale, os professores Bayard Boiteux e Ediana Avellar vão falar sobre fundamentos do marketing, instrumentos de divulgação, formas de promoção e marketing na sociedade 3.0. As inscrições, gratuitas, só até esta terça, pelo e-mail [email protected] *** O “Bigadeiro Rosa”, lançado pelo Lecadô no ano passado para apoiar o movimento de conscientização para o câncer de mama mundialmente conhecido como Outubro Rosa, está de volta. Parte da renda arrecadada com a venda será destinada a ações do INCAvoluntário.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.