Eletrificados crescem 77% em 2021

E prometem mais para este ano.

Se o ano passado foi historicamente o melhor ano em vendas de eletrificados no Brasil, 2022 tem tudo para fazer esse bolo crescer mais. Elétricos ou híbridos fecharam 2021 com 1,8% de participação de mercado (no ano anterior o market share foi de 1%) e alta de 77% sobre 2020. Automóveis e comerciais leves somaram 34.990 unidades, sendo 2.860 só de elétricos e mais 32.130 de híbridos. Em 2020, quando já haviam disparado, venderam 19.745 unidades. Os números foram divulgados pela Anfavea.

O crescimento desse mercado se deve ao expressivo aumento de oferta, tanto de marcas que passam a impor (no bom sentido) apenas eletrificados, como fez a Volvo, e de fabricantes que estrearam seus elétricos por aqui (Peugeot e Fiat, por exemplo).

Marcas premium – Porsche, Audi, Mercedes-Benz, Jaguar e BMW, entre outras – apostam em novos produtos, nascidos elétricos – supercarros com muito mais autonomia.

Junto a isso, há também um esforço em melhorar a infraestrutura, com investimentos das marcas e outras empresas na expansão dos pontos de carregamento. Conte, ainda, com a vinda de novos players, como os chineses BYD e Great Wall que chegam com produtos competitivos.

Tudo isso chama a atenção do consumidor, que dá seu voto de confiança e aposta nas novas tecnologias, mais limpas e sustentáveis.

Volvo C40 (foto de Pedro Dantas, divulgação Volvo)
Volvo C40 (foto de Pedro Dantas, divulgação Volvo)

O que está chegando

A Volvo acaba de lançar o C40, SUV cupê 100% elétrico, equipado com dois motores, que combinados geram 408cv de potência e 440km de autonomia. Seu preço: R$ 419.950. Antes disso, a marca de origem sueca já havia anunciado no final do ano passado que seu XC40 passaria a ser vendido apenas na versão 100% elétrica, por R$ 409.950.

A chinesa BYD iniciou na semana passada a pré-venda do Tan EV, por R$ 487.590. Seus dois motores entregam 517cv e alcance de 437km.

Por enquanto, o TAN EV está exposto em um shopping center da capital paulista e pode ser negociado por consultores da Eurobike, rede que promete para março a abertura da primeira loja da BYD no país. A expectativa é ter representantes em 45 cidades brasileiras.

Motocicleta iFood Voltz (foto divulgação iFood)
Motocicleta iFood Voltz (foto divulgação iFood)

Entregas sustentáveis

No segmento de frotas, a sustentabilidade caminha a passos largos. A plataforma iFood iniciou uma parceria com a marca de motocicletas elétrica Voltz para lançar, nas próximas semanas, a venda a seus entregadores.

No programa, que inicia por São Paulo, a pré-venda prevê descontos e facilidades no financiamento. A companhia não divulga os valores. Além do apelo ESG, a moto elétrica reduziria, segundo a plataforma, em 70% os custos com combustível e manutenção, em comparação com uma moto a gasolina.

 

Grupo BMW planeja 30 lançamentos em 2022

Em anúncio dos resultados de 2021 e perspectivas 2022 para o Brasil, o Grupo BMW divulgou que terá 30 lançamentos entre carros BMW, Mini e Motorrad (motos) para este ano no Brasil.

Com o i4 anunciado e iX já em pré-venda no Brasil, a BMW confirmou a vinda ainda neste semestre do iX3, SUV elétrico baseado no X3.

Junto com a Mini, o Grupo BMW terá 5 modelos totalmente elétricos no Brasil – i3, i4, iX, iX3 e Mini S E. Hoje, cerca de 20% das vendas da BMW são compostas por veículos eletrificados. Já para a Mini, os eletrificados correspondem atualmente a 40% das vendas no Brasil, um dos maiores percentuais globais.

Aksel Krieger ( foto divulgação BMW)
Aksel Krieger ( foto divulgação BMW)

Mas nada ‘made in Brazil’

O CEO do BMW Group Brasil, Aksel Krieger, conta que o grupo avançou 162% nas vendas de eletrificados em 2021 (elétricos e híbridos plug-in) e que a meta é chegar a 2030 com 50% da gama elétrica.

Mas, por ora, só de importados. O CEO não descarta, mas diz que não há planos de produzir veículos elétricos ou híbridos em sua planta de Araquari (SC). “Estamos sempre estudando e avaliando. E sempre olhando para o futuro”, completou Krieger.

Audi Q3 Sportback (foto divulgação Audi)
Audi Q3 Sportback (foto divulgação Audi)

Audi inicia pré-venda dos novos Q3

A Audi do Brasil inicia pedidos de reservas dos novos Q3 e Q3 Sportback. Com motor 2.0 de 231cv e tração quattro, os modelos podem ser encomendados diretamente nas concessionárias por a partir de R$ 279.990. As entregas estão previstas para abril.

As primeiras unidades virão importadas da Hungria, para depois serem montados na fábrica de São José dos Pinhais (PR), onde a Audi retoma a produção.

Lucia Camargo Nunes
Economista e jornalista especializada no setor automotivo. [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

A Rota dos Vinhos do Tejo

Degustação apresenta a riqueza e diversidade da histórica e ainda desconhecida produção.

Fiat lança furgão Scudo com motor turbodiesel ou elétrico

Veículo para a última fase de entrega de produtos.

Últimas Notícias

Café torrado, óleo de soja e leite UHT retraem em 2022

Cesta de bens de consumo massivo representará 37% da renda dos latino-americanos em 2022.

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

China intensifica esforços para aliviar carga tributária das empresas

Os ministérios da China lançaram uma série de políticas de apoio, com o objetivo de manter as empresas e os negócios autônomos à tona, em meio à epidemia de COVID-19, com foco no corte de taxas e impostos.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.