Eletrificados importados pagarão mais imposto em 2024

Em 2024, veículos eletrificados importados sofrerão aumento de impostos no Brasil. Entidades divergem sobre o impacto na indústria e mercado.

118
Carros eléricos pagarão mais imposto

Os veículos eletrificados importados tendem a ficar mais caros em 2024, devido à decisão do governo federal de retomar gradualmente a cobrança do imposto de importação para veículos elétricos e recompor a alíquota dos híbridos e híbridos plug-in a partir de janeiro.

No primeiro mês de 2024, os elétricos passarão a pagar de 0 para 10%, depois 18% em julho. Em julho de 2025, sobe para 25% e, um ano depois, 35%.

A sequência para os híbridos plug-in (PHEV) será: 12% em janeiro, 20% em julho, 28% em julho de 2025 e 35% em julho de 2026. Para os híbridos convencionais (HEV): 12% em janeiro, 25% em julho, 30% em julho de 2025 e 35% em julho de 2026. Nem os comerciais escaparam: caminhões elétricos importados, hoje isentos, pagarão 20% em janeiro de 2024 e, a partir de julho, 25%.

O objetivo do governo, segundo o ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, é “estimular a indústria nacional para tecnologias que promovam a descarbonização e aos investimentos na produção, manutenção e criação de empregos de maior qualificação e melhores salários”.

Espaço Publicitáriocnseg

Entidades divergem sobre volta da tributação

A Anfavea viu a medida como um grande avanço. A entidade informou em nota que a isenção foi importante e suficiente para a introdução dessas tecnologias no Brasil. O mais importante, disse a Anfavea por meio de nota, é a sinalização de que a produção local de veículos eletrificados será uma grande realidade do ponto de vista da concorrência internacional.

Ricardo Bastos
Ricardo Bastos

Já a ABVE, associação dos eletrificados, disse que a medida frustrou todos aqueles que apostam no transporte limpo, renovável e sustentável no Brasil. “Trata-se de uma medida que, no curto prazo, beneficia principalmente os veículos movidos a combustível fóssil e, no médio prazo, projeta uma sombra de insegurança sobre as empresas dispostas a investir na fabricação de veículos elétricos e híbridos no Brasil – e mesmo sobre aquelas que já anunciaram planos concretos de produção local”, disse Ricardo Bastos, presidente da ABVE.

Para o executivo, que faz parte da diretoria da GWM, a retomada do imposto atende principalmente ao lobby das associações que defendem os combustíveis fósseis, e não aos interesses dos consumidores e da sociedade brasileira, que apoiam um transporte moderno e não poluente. E completou: “O resultado será muito ruim para os investidores e para o mercado. Vai encarecer o preço dos veículos elétricos e híbridos no Brasil e afetará as decisões de investimento das empresas que apostavam em regras estáveis para produzir veículos elétricos em território nacional”.


Locadoras se destacam em outubro, enquanto produção cai

O aumento das importações foi um dos responsáveis por uma retração na produção de veículos em outubro, segundo informou a Anfavea. Enquanto as vendas avançaram 10,2%, a produção teve queda de -4,4%. Nos 10 primeiros meses do ano, 271,3 mil modelos estrangeiros entraram no país, 57,6 mil a mais que no mesmo período de 2022, alta de 27%. Outro dado interessante: automóveis e comerciais leves cresceram 12% em outubro, impulsionados pela maior demanda das locadoras, que compraram 75 mil veículos (alta de 29%). As vendas diretas representaram 51% dos emplacamentos.


Importados crescem 92% entre janeiro e outubro

Joao Oliveira presidente da Abeifa  - foto Abeifa
João Henrique Garbin de Oliveira

Dez marcas que fazem parte da Abeifa, associação de importadores, comemoram o aumento expressivo de vendas: alta de 92,3% no acumulado de janeiro a outubro, com 27.963 unidades. Na avaliação de João Henrique Garbin de Oliveira, presidente da Abeifa, “a gradual recuperação econômica do país, aliada à transição tecnológica pautada no crescente interesse dos consumidores brasileiros por veículos híbridos e elétricos, mais uma vez determinou o desempenho positivo nas vendas de veículos importados no mês passado.” A retomada do imposto de importação para estes produtos pode impactar nas vendas a partir de 2024.


Honda e Porsche têm seminovos de menor desvalorização

Honda HR-V

O comportamento de preços no mercado de usados pode interferir na decisão de compra de um zero-km para muitos consumidores. A 10ª edição do Selo Maior Valor de Revenda apontou o Honda HR-V como o modelo a combustão de menor depreciação após um ano de uso, com apenas -2,8%. A premiação também incluiu eletrificados, tendo o Porsche Cayenne Plug-in como o menos desvalorizado (-2,5%). O Estudo de Valorização de Veículos, realizado pelo Autoinforme, considerou 93 modelos, carros e comerciais leves, divididos por categorias. Confira os modelos de menor desvalorização após um ano de uso:

Modelo/marcaDepreciação
Porsche Cayenne Plug-in-2,5%
Honda HR-V-2,8%
Porsche Cayenne-3,5%
Volkswagen Jetta-4,3%
Toyota RAV4-4,7%
Fonte: Autoinforme

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui