Eleva parte para um mercado de R$ 70 bi

A Eleva deve atingir aproximadamente 120 mil estudantes do ensino básico, em que há disputa acirrada por espaço e por alunos.

Com a aquisição da Eleva Educação, grupo que acaba de adquirir 51 escolas da Cogna (ex-Kroton), por quase R$ 970 milhões, o bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann, confirma o movimento de consolidação do setor, iniciado em 2019, e prevista pelos analistas do setor para este ano.

“Com seu apetite por aquisições, a Eleva sai na frente na disputa por um mercado, que tem faturamento anual estimado em cerca de R$ 70 bilhões”, avalia o professor Francisco Borges, consultor de políticas educacionais da Fundação de Apoio à Tecnologia (Fundação FAT).

A Eleva deve atingir aproximadamente 120 mil estudantes do ensino básico, em que há disputa acirrada por espaço e por alunos. Na prática, a operação se dá por uma troca de ativos que permitirá a ambas acelerar os respectivos core business. Desta forma, a Cogna, por meio da Vasta, comprou o sistema de ensino da Eleva por R$ 580 milhões.

“Analisando o que se propõe, com as suas marcas subsidiárias, com o olhar da experiência do setor educacional, que se tornou mercado no ensino superior a partir de 2001; e o setor de educação básica, que ainda não é um negócio de grandes investimentos, mas está na mira, as possibilidades de evolução da Cogna pautadas somente por fusões e aquisições tradicionais eram poucas”, diz Borges. Ele destaca que essa reestruturação era esperada e está evidente de 2019, ano em que mudanças estruturais foram realizadas pelos maiores grupos, de olho na educação básica. “Tal posicionamento deve-se ao fato de a educação superior demonstrar estagnação do número de matriculados”, diz.

 

Retrospectiva

 

O consultor Ricardo de Jesus, da MRD Consulting, destaca que o primeiro grande lance nesta direção foi dado ainda em 2018, pela Kroton que pagou mais de R$ 4,5 bilhões pelo controle da empresa de ensino básico Somos Educação. Para ele, o potencial do mercado é bom.

A educação básica contempla 85% dos alunos em idade escolar, o que representa 48 milhões de alunos e é considerado bastante pulverizado no Brasil. Existem cerca de 40 mil escolas privadas de educação básica no país, com uma média de 300 alunos. O ticket médio fica entre R$ 500 e R$ 600, o que corresponde a uma receita mensal entre R$ 150 mil a R$ 180 mil.

 

Concentração da renda

 

“O estado de São Paulo, devido à concentração de renda, conta com escolas maiores (entre 500 e mil alunos) e estas são as mais assediadas por grandes grupos e fundos de investimentos”, afirma Jesus. “Muitos investidores têm nos procurado em busca de oportunidades de negócio na área.”

Na avaliação dele, o aumento da inadimplência, redução das receitas por conta de descontos e necessidade de mais investimentos em tecnologia, além da forma como vão conduzir a volta às aulas nos próximos meses, fará da gestão do caixa um enorme desafio das escolas particulares neste cenário pós-pandemia, o que deve provocar uma nova onda de fusões e aquisições no setor.

O Fórum Econômico Mundial, realizado em janeiro, atenta ainda para o fato de que os transtornos causados pela pandemia da Covid-19 geram também uma face menos negativa e traumática para o mercado, que a é a inovação educacional. Para um setor que sempre foi resistente às mudanças e a adoção de novas tecnologias, a crise traz à tona um momento de reflexão, adaptação e flexibilização. Assim, o uso de ferramentas digitais e o crescimento das parcerias público-privadas devem, e precisam, mobilizar toda a sociedade. “É necessário se unir para buscar soluções aos desafios educacionais que virão no pós-pandemia”, completa o professor Borges, da Fundação FAT.

Leia mais:

Três perguntas: o que são fundos quantitativos e seus algoritmos

Produção do pré-sal em janeiro cresce 8,2% em relação a dezembro

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Perfil de risco visto pelas corretoras

Uso do Questionário de Perfil de Investidor, chamado de suitability, que tem como função identificar seu apetite de risco

Diretor do Grupo Nubank cumpre novo mandato na Anbima

Permanecerá na vaga de conselheiro titular reservada à Anbima no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional

Ampliar volume de interfaces para atrair investidor pessoa física

Em janeiro, a B3 somava 5 milhões de contas PF abertas em corretoras

Últimas Notícias

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.

Qyon Tecnologia planeja crescer 65% em 2022

Marca deve fechar ano com cerca de 100 franquias.

XP amplia crescimento do PIB para este ano

Elevou a projeção de 0,8% para 1,6%

Perfil de risco visto pelas corretoras

Uso do Questionário de Perfil de Investidor, chamado de suitability, que tem como função identificar seu apetite de risco

Diretor do Grupo Nubank cumpre novo mandato na Anbima

Permanecerá na vaga de conselheiro titular reservada à Anbima no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional