Elevação da Selic deve atrair capital estrangeiro para o Brasil

Mercado externo recua após Fed elevar sua projeção para a inflação de 2021 e afirmar que deve elevar juros antes de 2024, o que era previsto.

A quinta-feira amanhece com os mercados globais reagindo a sinalização do Fed de que irá precisar subir os juros ou retirar estímulos da economia mais cedo do que o esperado devido a inflação. No mercado interno, os investidores estão reagindo a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) que elevou a taxa Selic em 0,75 ponto percentual ontem, para 4,25% ao ano, porém já era esperado, então muitos produtos já estavam precificados e por isso não deve ocorrer muitas mudanças no mercado, apenas pequenos ajustes. No cenário cambial, com a elevação da taxa de juros, o Brasil deve atrair capital estrangeiro e consequentemente a entrada de dólar no país, o que dará força ao real. No momento, o índice futuro do Ibovespa está recuando 0,24% e o dólar está subindo 0,21% em relação a abertura.

No mercado externo, os índices futuros das Bolsas de Nova Iorque operam em queda na manhã desta quinta-feira, com os investidores ainda pessimistas com o discurso do Fed de ontem, onde o mesmo elevou a projeção de inflação para 2021 e afirmou que deve antecipar a elevação dos juros para controlar a inflação. Às 7h22, no mercado futuro, o Dow Jones caía 0,25%, o S&P 500 recuava 0,28% e o Nasdaq se desvalorizava 0,43%. O rendimento da T-note de dois anos caía a 0,201% e o do T-bond de 30 anos diminuía a 2,176%, enquanto o da T-note de 10 anos cedia a 1,561%. O índice DXY do dólar subia 0,75%, a 91,81. Na Europa, as Bolsas também estão em baixa seguindo Wall Street. Às 7h21, Londres caía 0,16%, a de Paris recuava 0,08% e a de Frankfurt cedia 0,17%. O euro era negociado a 1,1933, ante US$ 1,2012 da tarde de ontem. A libra valia 1,3946, de US$ 1,4005 da véspera. Na Ásia, as Bolsas fecharam sem direção única. O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,93% em Tóquio e o sul-coreano Kospi recuou 0,42% em Seul. Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,43% e o Taiex registrou ganho de 0,22% em Taiwan. Na China continental, o Xangai Composto avançou 0,21% e o menos abrangente Shenzhen Composto se valorizou 1,16%. Já na Oceania, a Bolsa australiana o S&P/ASX 200 recuou 0,37% em Sydney. Às 7h20, o dólar valia 110,72 ienes, ante 110,60 ienes da tarde de ontem.

.

Equipe Travelex Bank

Artigos Relacionados

Previsão para dólar vai de R$ 4,80 a R$ 5,45

Moeda norte-americana subiu 4,7% em julho; Bolsa caiu 3,9%.

Mercados caem no último pregão do mês com receios advindos da Ásia

Futuros nos EUA abrem em queda, pressionados pelos receios advindos do Extremo Oriente e pelo avanço da Covid-19.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...