Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

Nesta quinta-feira é esperado que o mercado repercuta a decisão de aumento da taxa Selic pelo Copom, que ontem anunciou uma alta de 1,5 pontos-base e indo de 6,25% a.a. para 7,75% a.a., e também ao adiamento da votação da PEC dos Precatórios na Câmara. Somado a isso temos uma agenda de divulgação de balanços de grandes empresas aqui e no exterior, com destaque para Petrobras, Vale, Amazon e Apple. A curva de juros já reflete o aperto monetário do Copom, que já indicou provável aumento na mesma intensidade para dezembro. O adiamento da votação da PEC dos Precatórios deve pressionar os juros e o dólar, e será votada na próxima quarta-feira, além disso este fato pode prejudicar o desempenho do índice Bovespa no dia de hoje, uma vez que a votação se faz necessária para abrir espaço no orçamento de 2022 e ao Auxílio Brasil, além disso temos o petróleo ampliando perdas e Nova Iorque negociando sem fôlego. O contrato futuro de índice Bovespa com vencimento para dezembro de 2021 era negociado em queda de 0,74% às 9h04 desta manhã, enquanto o dólar comercial negociava em alta de 0,60% neste mesmo horário.

No cenário externo o foco das atenções é a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), e no PIB dos EUA, além dos balanços corporativos a serem divulgados. Em Nova Iorque os índices futuros são negociados em alta enquanto os juros dos treasuries operam sem direção única, com investidores aguardando a divulgação da primeira leitura do PIB do terceiro trimestre dos EUA, bem como o balanço de grandes empresas. Também haverá o leilão de US$ 62 bilhões em T-notes de sete anos pelo Tesouro americano. Às 7h21, no mercado futuro, o Dow Jones subia 0,06%, o S&P 500 avançava 0,17% e o Nasdaq tinha alta de 0,40%. No mesmo horário, juro da T-note de 10 anos aumentava a 1,545%, de 1,539%. Na Europa as principais Bolsas operam sem direção única, também aguardando a divulgação de balanços corporativos. Às 7h15, a Bolsa de Londres caía 0,20% e a de Frankfurt recuava 0,14%, enquanto a de Paris subia 0,35%. O euro estava em US$ 1,1595, de US$ 1,1605, e a libra era cotada a US$ 1,3755, de US$ 1,3739 no fim da tarde de ontem. Na Ásia o cenário foi negativo, com as principais Bolsas fechando em queda no dia de hoje, reagindo à decisão do Banco Central do Japão e espelhando o movimento de baixa das Bolsas de Nova Iorque. O japonês Nikkei caiu 0,96% em Tóquio, enquanto o Hang Seng recuou 0,28% em Hong Kong, e o sul-coreano Kospi cedeu 0,53% em Seul. Na China continental, o Xangai Composto recuou 1,23%. Na Oceania, o S&P/ASX 200 caiu 0,25% em Sydney. Às 7h15, o dólar estava em 113,66 ienes, de 113,77 ienes no fim da tarde de ontem.

.

Yuri Pasini

Trader Mesa Câmbio do Travelex Bank

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Contas públicas ficaram positivas em R$ 4,3 bi em março

Segundo o BC, em 12 meses, o superávit primário chegou a R$ 122,8 bilhões.

Mercados globais operam no negativo com dados decepcionantes de China

Notícias de Xangai e IBC-Br também ficam no radar.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões