Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

A alta da inflação de alimentos, combustíveis e energia, fez o Banco Central (BC) apertar ainda mais os cintos na política monetária. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic, juros básicos da economia, de 6,25% para 7,75% ao ano. A decisão surpreendeu os analistas financeiros, que esperavam reajuste para 7,5% ao ano.

Em comunicado, o Copom informou que a instabilidade no mercado financeiro provocada pela decisão de mudar o cálculo do teto de gastos fez o BC aumentar ainda mais o ritmo de aperto monetário. Na avaliação do órgão, os acontecimentos recentes elevaram o risco de a inflação subir mais que o previsto, justificando a alta dos juros. O Copom informou que também deverá elevar a Selic em 1,5 ponto percentual na próxima reunião do órgão, em dezembro.

Para o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, a decisão destaca que a inflação está alta e que tem surpreendido as expectativas, em meio à disseminação das pressões para itens menos voláteis da cesta. A alta do câmbio, com o dólar saindo da faixa dos R$ 5,30 para R$ 5,60, as últimas divulgações do IPCA acima do esperado e, principalmente, a piora no cenário fiscal justificaram a aceleração de 1% para 1,50% nesta reunião.

No modelo do Copom, as projeções de IPCA subiram de 8,5% para 9,5% em 2021 e de 3,7% para 4,1% em 2022. Para 2023, a projeção cedeu de 3,2% para 3,1%.

Borsoi explica que o comunicado ressaltou que os questionamentos do arcabouço fiscal (depreciação cambial e as chances de ajustes de preços defensivos por parte do setor produtivo) elevam a probabilidade de a inflação surpreender para cima as projeções do cenário base. O Copom também mudou a prescrição de política monetária, ao descrever que o ciclo de aperto deve avançar ainda mais no território contracionista.

Segundo o economista, frente à piora significativa nas projeções de inflação e o cenário de riscos, o comitê antevê um ajuste de mesma magnitude na próxima reunião, mas deixou a porta aberta para uma revisão do ritmo, caso haja um agravamento no processo de deterioração das expectativas de inflação. “Sendo assim, mantivemos nossa projeção de alta de 1,50% na reunião de 8/dez, com a taxa Selic terminando 2021 em 9,25%. Em nossa visão, o ciclo deve se estender até mai/22, com a taxa Selic terminando o ciclo em 11%”.

A Força Sindical considerou a decisão dos membros do Copom de aumentar a taxa de juros um grave erro. Em nota, a entidade explica que com “esta decisão equivocada, o Banco Central prejudica ainda mais, a já fragilizada economia do nosso país e só beneficia banqueiros e especuladores.”

Segundo a entidade, é importante ressaltar que o aumento da taxa de juros tem se mostrado, ao longo do tempo, um instrumento muito perverso e pouco eficaz no combate à inflação, encarece o crédito para consumo e para investimentos, causa mais desemprego, queda de renda, piora o cenário da economia. “Concentra cada vez mais renda nas mãos de banqueiros e especuladores financeiros. A crise é dolorosa para os trabalhadores, que, além de sofrerem com o flagelo do desemprego, amargam alta taxa de juros e a redução nefasta dos seus diretos e de sua proteção social.”

A Força Sindical defende que a resposta para a crise é o governo retomar a política de redução da taxa de juros e um projeto de desenvolvimento sustentável com geração de empregos, redução da desigualdade social, combate à pobreza e distribuição de renda.

Para o economista e head de Renda Variável da Messem Investimentos, Gustavo Bertotti, o aumento do aperto monetário deve continuar até o primeiro trimestre de 2022, com a taxa Selic atingindo até 10,50%.

“O nosso balanço de risco cresceu após as declarações do ministro Paulo Guedes de que iria furar o teto de gastos para conceder o Auxílio Brasil de R$ 400,00. Isso gerou a apreciação do dólar e consequente, a elevação das expectativas de previsões da inflação. O BC terá que adotar uma política monetária mais contracionista”, disse Bertotti. “O Brasil é muito dependente de insumos importados. O dólar alto causa grande impacto nos índices de inflação”, acrescenta.

Um grande risco, complementa Bertotti, é a “desancoragem fiscal”, abrindo precedentes para efetuar novos gastos, piorando ainda mais orçamento da União. “O presidente prometeu na semana passada uma ajuda financeira para 750 mil caminhoneiros, mas sem indicar a fonte de recursos. Isso deixa o mercado temoroso”, diz ele. O economista lista fatores adicionais que pressionam a inflação, sobretudo a alta da commodities, como o petróleo, carvão e gás.

Bertotti ressaltou que o Boletim Focus do Banco Central, que aponta que a mediana das estimativas do mercado para os principais indicadores econômicos do país, já mostram uma deteriorização do cenário macroecômico, com mudanças nas expectativas do mercado. A previsão do mercado financeiro para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) disparou de 8,69% para 8,96% em 2021 e de 4,18% para 4,40% em 2022.

O mercado diminuiu a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB), que mede o crescimento da economia brasileira, de 5,01% para 4,97% em 2021 e de 1,50% para 1,40% em 2022. A expectativa do mercado para o dólar também cresceu. Conforme o relatório, disparou de R$ 5,25 para R$ 5,45 no fim deste ano e no final do ano que vem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Desempenho da Bolsa com Lula é melhor que com Bolsonaro

Primeiros anos de governos costumam ser os melhores.

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões