Em alta e em baixa

As TVs abertas não ligam para as Paralimpíadas – exceção da TV Brasil, da EBC, aquela que o Governo Temer tenta matar por inanição. O noticiário dos canais privados se limita a relatar as medalhas conquistadas pelo Brasil e, quando muito, retratar um caso de “superação”. O chamativo estúdio que a Rede Globo montou no meio do Parque Olímpico está vergonhosamente fechado, às escuras. Quem quiser acompanhar as transmissões, fica limitado ao canal público ou, na televisão paga, a um ou dois canais do SporTV – ante os 16 que só esta emissora oferecia durante as Olimpíadas.

Mas o interessante é que, apesar deste virtual boicote, os Jogos Paralímpicos estão na boca do povo. Nas redes sociais, nos sites, nos ônibus, chama a atenção a quantidade de pessoas interessadas nas competições. Basta olhar para o número de ingressos vendidos: esta quinta-feira deve-se chegar à marca de 1,5 milhão, de 2,5 milhões colocados à venda, o que deixa o Rio com a medalha de prata – em primeiro lugar está Londres-2012, com 2,8 milhões de entradas comercializadas.

Pelo menos duas lições neste caso: a primeira, é o contínuo descasamento entre a mídia empresarial e seu público; a segunda, a redução da importância desta mídia, suplantada por outras fontes de informação mais democráticas.

Portos crescem

Em 26 de outubro, a Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) realizará em Brasília o 3º Encontro ATP, que terá como tema “Inovação, tecnologia e sustentabilidade”. O evento reunirá 200 convidados – os principais empresários do setor portuário, autoridades, políticos e entidades de classes em defesa da infraestrutura e logística brasileira.

Entre os palestrantes, a consultora sênior do Porto da Antuérpia, Tessa Major; o representante da América do Sul do Porto de Roterdã, Peter Lugthart; e o diretor de planejamento de negócios e desenvolvimento das Américas do Porto de Dubai, Michael Benthey. O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, fará a abertura.

O setor portuário, mesmo diante da crise econômica que o país enfrenta, dá sinais de robustez com perspectivas ainda maiores de crescimento”, avalia o diretor-presidente da entidade, Murillo Barbosa.

Equiparação

Os médicos da rede federal estão muito próximos de receber a complementação da gratificação por desempenho, suspensa desde 2012, segundo o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio (SinMed/RJ), Jorge Darze, que obteve apoio da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), líder do governo. A parlamentar vai se reunir com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para que seja realizado o pagamento da diferença.

No início deste ano, os ministérios da Fazenda e do Planejamento já tinham autorizado os recursos necessários para a equiparação da gratificação por desempenho dos médicos federais a outras categorias de nível superior.

Contribuinte tem opções

Sobre a nota “Nas costas do contribuinte”, publicada nesta coluna dia 13 (12 no site), a Secretaria da Fazenda de São Paulo enviou o esclarecimento: “O objetivo do emissor gratuito pela Secretaria da Fazenda de São Paulo foi a massificação do documento fiscal (NF-e). Quando os documentos fiscais passaram para a forma eletrônica, poucas empresas dispunham do sistema imediatamente, o que poderia gerar dificuldades para os contribuintes. Este quadro se alterou no cenário atual, já que a obrigatoriedade da NF-e se iniciou em 2006, e sua função foi cumprida.

O emissor gratuito é limitado em suas funções em relação a outros aplicativos disponíveis no mercado que possibilitam integrações com os demais sistemas das empresas. A Fazenda conta também com projetos de sucesso como a Nota Fiscal de Consumidor eletrônica (NFC-e) e o Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais eletrônicos (CF-e-SAT), para os quais não foram desenvolvidos emissores gratuitos e o mercado tem suprido essa necessidade.

Desde que o Estado de São Paulo anunciou o fim do emissor gratuito, várias empresas desenvolveram seus produtos e os colocaram no mercado. Há desde versões básicas, inclusive gratuitas, a outras mais completas (…)

Para atender a uma parcela de 7,8% de contribuintes que utilizam o aplicativo atualmente e terão de se adaptar a outro emissor, a Secretaria da Fazenda concedeu o prazo até 1º de janeiro de 2017 para que o sistema seja descontinuado e a migração possa ser feita gradualmente, informação amplamente divulgada desde abril de 2016.”

Rápidas

A Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Ministério da Justiça, em pareceria com Ministério da Ciência e Tecnologia, realiza o seminário Iniciativas do Governo Federal em Tecnologia Assistiva, nesta quinta-feira, às 10h, no Auditório do Armazém 2 da Casa Brasil, no Boulevard Olímpico, Rio de Janeiro *** Nestas quinta e sexta-feira, o Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul realizará o V Congresso sobre Questões Polêmicas no Direito Tributário, nos Tribunais e no Processo Administrativo, no auditório da Aiamu, no Centro de Porto Alegre.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.

Mirando agora na PEC dos Precatórios

Ultrapassada a decisão do Copom, investidores vão mirar na avaliação da PEC cheia de 'jabutis' que ainda não foram retirados.