Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.

O novo relatório da Kaspersky intitulado “Como os executivos de empresas interpretam a ameaça do ransomware” mostrou que em 78% das organizações brasileiras que já foram atacadas pelo malware, os líderes optariam por pagar o resgate caso enfrentassem novo ataque. Atualmente, o ransomware é uma importante ameaça e o estudo revela que 56% das empresas do país já foram atacadas. Além disso, o pagamento do resgate parece ser visto pelo alto escalão das organizações como uma forma confiável de resolver o problema.

Segundo o estudo, quase 68% dos entrevistados no Brasil afirmam que já pagaram pela liberação de documentos. Além disso, as organizações que foram vítimas de ransomware estão mais propensas a desembolsar o resgate no caso de um novo ataque (88%). O levantamento indica como os líderes de organizações brasileiras reage ante o sequestro de dados é que 41% deles pagariam imediatamente o resgate para ter acesso aos dados criptografados – ou seja, para quase metade dos líderes, essa medida é a melhor solução.

O relatório mostra ainda que 56% das empresas no Brasil afirmam ter sofrido incidentes de ransomware e 54% preveem que ocorrerá um ataque contra sua empresa em algum momento, pois consideram esta ameaça como o cibercrime mais provável de acometer seus negócios.

Estudo da Eset mostra que as senhas “123456”, “123456789” e “12345” foram as mais usadas em todo o mundo para cadastrar-se em sites no último ano, segundo levantamento. O relatório mostra ainda que levaria menos de um segundo para que essas sequências fossem descobertas por cibercriminosos. No Brasil, estudos apontam que 4 a cada 5 pessoas raramente alteram suas senhas e possuem riscos de terem seus acessos violados em vazamentos de dados, visto que não buscam atualizá-las. Além disso, cerca de 30% utilizam as mesmas credenciais para diferentes contas.

Os cibercriminosos realizam ataques de força bruta, ou seja, eles usam programas para lançar ataques contra serviços online e testar combinações de caracteres para uma lista de endereços de e-mail e senhas vazadas em violações de segurança anteriores, até que credenciais válidas sejam encontradas. A força de uma senha é determinada principalmente pela dificuldade ou quanto tempo leva para um programa de computador quebrá-la com base no poder da computação.

Quanto maior o número e a variedade de caracteres, mais tempo levará para o programa de computador decifrar a chave. De acordo com o site do Fórum Econômico Mundial, uma senha de 12 caracteres contendo pelo menos uma letra maiúscula, um símbolo e um número exigiram 34 mil anos para um computador decifrar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘Adesão da Finlândia e da Suécia enfraquecerá Otan’

Para estudiosa, Ocidente 'precisou' se expandir para países da ex-URSS para impor 'valores ocidentais' e 'democracia', segundo a narrativa.

Empresas estão um passo atrás na busca por talentos

Especialista: Descrição do trabalho e formas de contratação, além do aprimoramento empresarial

Bitcoin perde os US$ 19 mil. Pirâmide começa a desmoronar?

Oficiais chineses chamam criptomoeda de maior esquema Ponzi da história.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time