Eminência parda

O anúncio feito pela nomenclatura do Comitê de Política Monetária (Copom) afirma, sempre na linguagem cifrada cuja decodificação é privilégio do mercado financeiro, que o Brasil está proibido de ter juros reais (descontada a inflação) abaixo de 10% ao ano. Isso implica condenar o país a continuar crescendo, em média, apenas os medíocres 2,2% ao ano em que se arrasta há cerca de 15 anos, com todas suas conseqüências sociais, econômicas e políticas. Diante de tal pretensão cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caso o Congresso se escuse de tal tarefa, acrescentar mudança básica à legislação eleitoral: realizar, juntamente com a eleição para presidente da República, plebiscito, no qual os brasileiros diriam se desejam ou não prorrogar o mandato da gestão do Copom, independentemente do eleito para o Executivo.

Alô
Noventa e cinco por cento dos trabalhadores em teleatendimento não estão satisfeitos com seu emprego, mas 70% das denúncias não procedem, afirma a diretora do sindicato dos trabalhadores do setor (Sinttel-Rio), Elizabeth Alves. Operadores de telemarketing fluminenses foram incluídos, através de projeto do deputado estadual Gilberto Palmares (PT), na tabela mais elevada do piso salarial estadual e teriam direito a no mínimo R$ 422 por mês. Mas em uma das maiores empresas de teleantedimento, visitada nesta quinta pelo deputado, os empregados recebem R$ 376, fora os descontos.

Transparência total
A queixa do ex-governador do Rio Anthony Garotinho de que sua candidatura é alvo de “perseguição implacável” por se apresentar como alternativa a PT e PSDB possibilita aos órgãos de imprensa que têm apontado gastos indevidos de Garotinho oportunidade ímpar: estender aos demais candidatos a presidente – sem excluir, obviamente, Garotinho – as mesmas cobranças sobre a origem dos recursos que financiam seus movimentos pelo país. Isonomia posta em prática, o país, além de assistir a campanhas menos custosas, teria a possibilidade de ter relações mais transparentes entre candidatos e financiadores

Turismo
Representantes da American Airlines, Varig, CVC e Trem do Corcovado participaram nesta quinta-feira do 1° Seminário de Transportes. O evento é uma atividade do curso de Turismo da UniverCidade, dirigido pelo professor Bayard Boiteux, que enfatizou a importância da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) na solução do caso Varig e elogiou a companhia aérea.

Pronto-socorro
A proposta de utilizar o BNDES para financiar a Varig se aparecer um “investidor” disposto a salvar a companhia aérea pode criar uma nova forma de hospital: no lugar de curar o doente, financia o são (e esperto). Aliás, a idéia nem é tão nova assim: é uma variante do que foi feito no Governo FH nas privatizações.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAnatel é uma mãe
Próximo artigoGeriatria

Artigos Relacionados

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Últimas Notícias

Alta do preço do aço puxa queda no setor de construção

Redução da Tarifa de Importação do Vergalhão do Aço causou discussão no setor.

Três perguntas: NFTs de coleção

Por Jorge Priori.

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Rio, petróleo e prosperidade

Por Ranulfo Vidigal.