Emplacamentos de veículos registram alta de 43,61% em julho

Com lojas abertas, mesmo em horários reduzidos, mercado mostra reação.

Conjuntura / 14:39 - 4 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

De acordo com dados divulgados hoje pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as vendas de veículos, considerando todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) registraram crescimento de 43,61% em julho, na comparação com junho deste ano. Foram emplacadas 279.103 unidades, em julho, contra 194.345 no mês anterior. Se comparado com julho de 2019 (349.408 unidades), a retração do setor foi de 20,12%.

No acumulado de janeiro a julho deste ano, os 1.504.731 veículos emplacados representam queda de 33,67% sobre o mesmo período de 2019, quando foram emplacadas 2.268.385 unidades.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., o mês de julho pode ser uma mostra de que o mercado começa a se adaptar à nova realidade.

"Independentemente de termos tido dois dias úteis a mais em julho (23) em relação a junho (21), podemos observar que o mercado vem, gradativamente, se ajustando ao 'novo normal' e o índice de confiança começa a melhorar, principalmente, quando vemos uma retração menor do que a esperada nos números de desemprego e melhores níveis de aprovação cadastral para financiamento de veículos", destacou.

Se considerado o setor em geral, o mês de julho está na 14ª posição do ranking histórico (entre todos os meses de julho) e o acumulado está na 16ª colocação histórica, na somatória dos meses de janeiro a julho.

O segmento de automóveis e comerciais leves apresentou alta de 32,84%, em julho sobre junho de 2020, com 163.083 unidades emplacadas, contra as 122.765 no mês anterior. Sobre o mesmo período de 2019, a baixa registrada foi de 29,77%, quando foram emplacadas 232.203 unidades. No acumulado de janeiro a julho, sobre o mesmo período de 2019, o resultado aponta retração de 37,45%, totalizando 926.337 unidades.

O mês de julho de 2020 ficou na 15ª colocação entre todos os meses históricos de julho, e o acumulado ficou na 18ª colocação do ranking de todos os acumulados (janeiro a julho).

Na avaliação do presidente da Fenabrave, com a abertura da maior parte das Concessionárias do país, em julho, mesmo com horário de atendimento reduzido, em algumas cidades, o segmento de automóveis e comerciais leves reagiu positivamente. "O mercado reagiu de acordo com as nossas expectativas, confirmando as nossas projeções. Vários foram os fatores que contribuíram para essa melhora, dentre eles, se destacam a aprovação de crédito, que atualmente, é de quase sete aprovações para cada 10 fichas cadastrais enviadas aos bancos, além do aumento da passagem de loja, que subiu de 20%, em abril, para mais de 60% do que estava antes da pandemia. O próprio isolamento social, provocado pela pandemia, tem feito os consumidores voltarem a procurar por carros próprios, evitando, assim, aglomerações nos transportes coletivos".

Com a maior procura por modelos pesados e extrapesados, para transporte de grãos e outros produtos, assim como modelos urbanos para trafegar pelas cidades durante a pandemia, os emplacamentos de caminhões cresceram 8,69% em julho (9.522 unidades) sobre junho (8.761 unidades). Também comparado a julho de 2019 (9 mil unidades), houve aumento de 5,8% na comercialização de caminhões. Já no acumulado de janeiro a julho, os resultados de 2020 (47.148 unidades) ainda ficaram 15,6% abaixo dos registrados em 2019 (55.865 unidades).

No ranking histórico, o mês de julho deste ano está na oitava colocação e, entre os acumulados de janeiro a julho, este ano está na 12ª posição histórica, para caminhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor