Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Grupo Stra possui mais de 3 mil pontos de venda no Brasil e mais de 4 mil clientes atendidos em hospitais, laboratórios e bancos de sangue. Encerra o ano de 2021 com faturamento de R$ 28 milhões.

Referência em vendas de produtos médico-hospitalares no Brasil, o Grupo Stra, que oferece produtos para hospitais, laboratórios, bancos de sangue e farmácias, registrou crescimento de 20% no último ano e alcançou o faturamento de aproximadamente R$ 28 milhões em 2021. Entre a variedade de 300 itens de marcas próprias ou revendidas, comercializadas pelo Grupo Stra, os destaques foram os itens para combate ao novo Coronavírus (SARS-CoV-2) como é o caso do termômetro infravermelho, dos equipamentos de intubação e dos oxímetros.

Para o CEO do Grupo Stra, Leonardo Straliotto, a necessidade dos itens para tratamento da Covid-19 retornou aos estágios normais de consumo no Brasil com o declínio da taxa de transmissão em 2021. Entretanto, após longos períodos de isolamento e com o retorno às atividades presenciais, a pandemia trouxe algumas lições tanto nas relações sociais como no consumo.

“As pessoas estão dando atenção maior aos produtos para o autocuidado relacionados à saúde e bem-estar. Dessa forma, alguns produtos do nosso portfólio de marcas próprias, que tiveram um aumento considerável de participação no mercado nacional durante a pandemia, continuam em ascensão em termos de venda neste e devem seguir nos próximos anos. Isso inclui suplementos alimentares e dispositivos portáteis como oxímetros, os quais podem ajudar a antecipar a detecção precoce de quadros graves de respiração e ajudam a saber quanto oxigênio o sangue está transportando”, explica Leonardo Straliotto, CEO do Grupo Stra.

“São itens que ganharam mais evidência e devem estar cada vez mais presentes em lares de pessoas, especialmente aquelas com doenças pré-existentes”, justifica o executivo. Para 2022, entre as estratégias da empresa está a ampliação do portfólio de produtos importados com foco em trazer inovação e diferenciais ao mercado brasileiro, além de saúde e bem-estar para o consumidor final.

Atualmente, a empresa atua com um leque de distribuidores logísticos para atender todo o território nacional. Apesar da sede ser em Santa Catarina, os pedidos se concentram especialmente no eixo Rio-São Paulo e no Nordeste do país e as marcas próprias já são vendidas em mais de 3 mil pontos de venda como farmácias Brasil, e mais de 4 mil clientes atendidos em hospitais, laboratórios e bancos de sangue.

Crescimento de 300% em 2020

Durante 2020, ano marcado pela pandemia da Covid-19, o faturamento havia triplicado, passou de R$ 8 milhões em 2019 e atingiu cerca de R$ 24 milhões. Já o número de funcionários saltou de 14 para quase 60 empregados diretos. “Em 2020 houve uma emergência de saúde pública internacional devido à pandemia. No Brasil, hospitais e profissionais que estavam na linha de frente ficaram à beira do colapso pela falta de medicamentos, equipamentos de intubação e leitos. Nessa época, nossa empresa já registrava crescimento constante e gradativo nos últimos anos, mas, de fato, esse fator também impactou no desenvolvimento”, explica Leonardo Straliotto.

“Além disso, já estávamos preparados para a distribuição de produtos importados e de marcas próprias. Além do conhecimento de toda a burocracia no que se refere ao processo de importação de itens de saúde somado à flexibilização do Governo Federal dos requisitos para importação de dispositivos médicos identificados como prioritários para uso em serviços de saúde relacionados ao SARS-CoV-2, a alta eficiência logística também influenciou no aumento de vendas”, avalia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Energia solar avança pelo Rio

Empresa abre mais duas franquias.

Últimas Notícias

Brilhante comércio de cerejas entre a China e o Chile

Um total de 356.000 toneladas de cerejas foram exportadas do Chile durante a temporada 2021-2022, com 88% do total indo para a China, de acordo com a iQonsulting, uma empresa de consultoria, com sede em Santiago, capital do Chile.

Empresa chinesa construirá parque de ciências agrícolas em Paracatu

A Prefeitura de Paracatu, no estado brasileiro de Minas Gerais, assinou um acordo com uma empresa chinesa para abrigar um parque de ciências agrícolas, visando construir o maior centro sul-americano de pesquisa e desenvolvimento de sementes de soja e milho e da cadeia de suprimentos.

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China