Empresa Weleda, otimista em relação ao mercado chinês

A Weleda, uma empresa de produtos de beleza e saúde com sede na Suíça, planeja expandir no mercado chinês e lançar novos produtos à medida que os consumidores na China se importam cada vez mais com a proteção ambiental e a sustentabilidade, disse a diretora administrativa da Weleda Hong Kong.

Foto sem data fornecida pela Weleda, uma empresa de saúde orgânica natural, bem-estar e beleza com sede na Suíça, mostra uma de suas linhas de produção perto de Stuttgart, na Alemanha. (Xinhua)

Xinhua - Silk Road

 

por Martina Fuchs

Genebra, 26 jul (Xinhua) — A Weleda, uma empresa de produtos de beleza e saúde com sede na Suíça, planeja expandir no mercado chinês e lançar novos produtos à medida que os consumidores na China se importam cada vez mais com a proteção ambiental e a sustentabilidade, disse a diretora administrativa da Weleda Hong Kong.

Expressando seu otimismo em relação ao mercado chinês, Brigitte Huang disse à Xinhua em entrevista que “durante a pandemia, muitos consumidores chineses passaram de compras na loja física para compras online”.

“O volume de vendas no varejo de comércio eletrônico na China continuou com seu rápido crescimento e ganhou mais participação de mercado”, disse Huang em entrevista antes da segunda Exposição Internacional de Produtos de Consumo da China, que começou nesta segunda-feira em Haikou, capital de Província de Hainan, sul da China.

A exposição atraiu mais de 1.200 marcas nacionais, 1.107 empresas estrangeiras e 1.643 marcas de 61 países e regiões, incluindo Weleda, uma empresa fundada em 1921 como um laboratório farmacêutico que se tornou fabricante de cosméticos naturais holísticos, bem como produtos farmacêuticos para medicamentos antroposóficos.

“Com base na experiência que acumulamos nos últimos anos na China, a Weleda planeja expandir seus negócios no país com uma gama mais ampla de produtos”, disse Huang.

A diretora-administrativa observou que uma das tendências de consumo mais vigoroso na China é a crescente demanda por ingredientes naturais para cosméticos, já que os chineses colocam questões ambientais e sustentabilidade em sua agenda de compras.

Como fabricante que se concentra em produtos feitos de substâncias naturais, Huang expressou: “A Weleda está bem posicionada a ter um futuro brilhante na China”.

Enquanto isso, a empresária observou que “os consumidores chineses apreciam a verdadeira qualidade, mas também são muito sensíveis aos preços”.

Isso está alinhado com os pontos fortes da Weleda e os objetivos contínuos de fornecer produtos naturais e de primeira qualidade a um preço acessível, acrescentou Huang.

Apesar dos recentes surtos de COVID-19 na China, Huang disse que “ainda estamos bastante confiantes com a China”, acrescentando que a Weleda continuará marcando presença em eventos locais e internacionais.

Por exemplo, este ano, além de participar novamente da exposição de produtos de consumo e da Exposição Internacional de Importação da China em Shanghai, a Weleda participará pela primeira vez da China Beauty Expo, disse ela. Fim

Leia também:

Comércio exterior de mercadorias da China sobe 9,4% no 1º semestre

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Investidores favorecem ETFs médicos em meio a flutuações de mercado

As ações dos fundos negociados em bolsa (ETFs) médicos da China se recuperaram recentemente a favor da compra dos investidores, apesar do seu desempenho fraco em geral, informou Xinhua Finance nesta quarta-feira.

Baidu da China operará taxis autônomos em duas cidades

A gigante chinesa de tecnologia Baidu obteve a permissão para operar comercialmente táxis totalmente autônomos em vias públicas nas cidades de Wuhan e Chongqing.

SF Supply Chain fortalece a cooperação com o Grupo Michelin

A SF Supply Chain, o provedor líder de serviços de cadeia de suprimentos na China, anunciou recentemente que fornecerá soluções integradas e inovadoras de cadeia de suprimentos ao fabricante francês de pneus, Michelin Group, para fortalecer ainda mais a cooperação de cinco anos entre os dois lados, informou o comnews.cn nesta terça-feira.

Últimas Notícias

Burocracia bancária faz sete em cada 10 brasileiros perderem dinheiro

Já Pix alcança o segundo lugar no ranking de meios de pagamento aceitos pelo comércio eletrônico.

‘Americano’?

Por Eduardo Marinho.

Jô Soares, eterno em nossos corações e mentes

Por Paulo Alonso.

Microcrédito para taxistas será votado na terça

Projeto de André Ceciliano abre linha de até R$ 80 mil para renovar frota.

Safra de grãos deve ser de 271,4 milhões de t em 2021/22

Levantamento é da Conab; já queda nas safras leva à retração da Região Sul no primeiro trimestre.