31.6 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Empresários cobram início da vacinação, e governo desconversa

Capitaneados pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), 30 empresários – entre eles pesos-pesados como André Gerdau, Juliana Azevedo, Luiz Carlos Trabuco e Wesley Batista Filho – participaram de videoconferência com os ministros da Casa Civil, Braga Netto, e das Comunicações, Fábio Faria, além do secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco.

A pauta do encontro do Conselho Diálogo pelo Brasil da Fiesp era clara: cobrar do governo o início da vacinação. Os empresários se convenceram de que somente a campanha poderá dar tranquilidade para se pensar na recuperação da economia do país.

O resultado foi decepcionante. O governo não definiu qual será o “Dia D” e a “Hora H” do início da vacinação contra a Covid-19. Reafirmaram apenas que será em janeiro.

Apesar da falta de novidades, houve quem saísse otimista. Um empresário que preferiu que sua identidade não fosse revelada falou a um jornal que “o governo já tem encomendadas 500 milhões de doses de vacinas, que serão suficientes para a imunização de toda a população mais de uma vez”.

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, lembrou aos representantes do governo que os empresários estão à disposição para ajudar o país neste momento, como tem sido desde o início da pandemia. Foi a oportunidade para oferecerem a compra de vacinas para os funcionários e parentes, doando o mesmo número de unidades compradas para cada família ao governo. Algo similar à tentativa de Supremo e Superior Tribunal de “furar a fila” da vacinação.

Leia mais:

Atraso da vacinação no Brasil prejudicará retomada econômica

Congresso define vacinação como prioridade contra pandemia

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação (-0,9%). É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira pela Fundação...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.