Empresas ampliam “hedge” para enfrentar oscilações no câmbio

No ano passado, as empresas aumentaram em US$ 7 bilhões seu volume de operações para se proteger contra as variações do câmbio. Com isso, o estoque das transações do chamado hedge cambial (proteção cambial) saltou de aproximadamente US$ 22 bilhões para cerca de US$ 29 bilhões. Na opinião de uma fonte do mercado, “este tipo de operação ajuda as empresas a diminuir seu passivo externo e também contribui para uma melhora do grau de solvência do país como um todo.”
A grande novidade é que as empresas não contaram com o Banco Central (BC) para reforçar suas defesas contra os humores do mercado internacional. O governo, dentro de sua estratégia de eliminar toda sua dívida em dólar, ofereceu menos títulos com cláusulas de correção cambial em 2005. “Sem o BC, as empresas procuraram casar suas posições em operações entre credoras e devedoras em moeda estrangeira”, explicou a fonte.
Essa postura do BC representou uma mudança de comportamento em relação ao adotado durante a crise cambial de 1999, quando o governo foi o maior provedor de proteção cambial no mercado. Naquela época, o BC emitiu uma grande quantidade de títulos atrelados ao câmbio. Com isso, deixou todo o estoque da dívida pública muito sensível às variações do dólar. Isso pesou contra o Brasil nos anos seguintes como um ponto de fragilidade frente às crises financeiras internacionais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.