EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020, valor oito vezes maior em relação ao ano anterior. A soma com a venda de ivermectina, por exemplo, aumentou de R$ 2,2 milhões para R$ 71,1 milhões na pandemia.

Em nota, publicou posição contrária ao chamado “kit Covid”, que prevê o uso de medicamentos ineficazes contra o novo coronavírus, através do inexistente tratamento precoce. A empresa esclareceu que “sempre comercializou seus medicamentos para os fins previstos em bula, não tendo comercializado nenhum suposto kit relacionado à Covid”, ressaltando que produz a hidroxicloroquina desde setembro de 2019.

“A EMS reforça que os dados espelham um cenário de mercado fortemente marcado pela pandemia de Covid-19, a partir de março de 2020, quando a primeira onda de coronavírus chegou com força à Europa e a cloroquina era estudada como um possível tratamento. Na época, houve uma forte procura espontânea pela hidroxicloroquina, o que impactou todo o setor farmacêutico no Brasil”, explica.

“Assim, a empresa apoiou, com o fornecimento de hidroxicloroquina, dois dos principais estudos clínicos no país para verificar a eficácia e segurança do uso do medicamento contra a Covid, realizados pela Coalizão Covid-19 Brasil, envolvendo os principais hospitais e centros médicos do país, que apontaram a ineficácia do produto”, continua.

O laboratório também produziu os remédios azitromicina, hidroxicloroquina e nitazoxanida. Esses medicamentos não têm eficácia comprovada para o tratamento de pessoas diagnosticadas com o coronavírus, mas foram defendidos por Jair Bolsonaro. Os dados enviados à CPI mostraram que a EMS produziu cerca de 9 vezes mais comprimidos das drogas do kit covid no primeiro ano da pandemia.

Na nota explica que “a empresa produz a hidroxicloroquina desde setembro de 2019 e teve o primeiro registro de venda do produto em novembro, sendo que, até dezembro daquele ano, faturou pouco mais de R$ 1 milhão, não cabendo, portanto, a comparação com a comercialização durante todo o ano de 2020. No ano passado, as vendas de hidroxicloroquina representaram 0,2% do faturamento total da empresa e 11,6% do mercado total desse medicamento”.

 

Artigos Relacionados

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...

Anbima sugere maior flexibilização nas emissões de BDRs

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), enviou nesta sexta-feira, ofício em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM)...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...