Enel pode sofrer CPI por péssimos serviços prestados

Empresários criticam desde a oscilação de tensão até a falta de poda de árvores.

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano (PT), pressionou representantes da Enel, empresa concessionária de fornecimento de energia para o Noroeste Fluminense, a promover melhorias no atendimento ao setor industrial da região. Em evento realizado pelo Fórum da Alerj de Desenvolvimento Estratégico do Rio, em Itaperuna, nesta sexta-feira, para falar sobre as perspectivas de desenvolvimento após a criação do Fundo Soberano, empresários locais denunciaram cortes irregulares, oscilações no fornecimento de energia e até mesmo a falta de poda de árvores.

Ceciliano afirmou que vai se reunir com representantes do Ministério Público e disse que pode protocolar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) caso as demandas emergenciais não sejam atendidas pela concessionária. “Nós vamos fazer um grupo de trabalho no Rio e acionar a Comissão de Defesa do Consumidor e a Procuradoria da Alerj para começar a notificar a Enel e a Aneel. Também iremos nos reunir com o Ministério Público Estadual e Federal”, enfatizou. O presidente da Alerj acrescentou que pode solicitar uma investigação dos investimentos da empresa em todo o país.

No encontro, que contou com a participação do prefeito de Itaperuna, Alfredo Paulo Marques Rodrigues, a principal reclamação do setor industrial foi a incapacidade de expansão da demanda energética dos empreendimentos e a irregularidade na transmissão da energia, com picos de tensão, suspensões não programadas e cortes do serviço mesmo com o débito em dia. Essa irregularidade impacta diretamente na produtividade dessas indústrias e, consequentemente, na geração de emprego e renda na região, como destacou o empresário Rafael Mangaravite, do setor de embalagens plásticas.

“A gente quer trazer de fora máquinas que melhorem a nossa produção, mas não dá para ligá-las às redes da cidade porque temos de três a quatro oscilações de tensão por semana”, contou. “Estamos em 2022 e energia é fundamental. Não conseguimos gerar emprego e renda na cidade, e estamos perdendo competitividade para estados como São Paulo e Santa Catarina”, criticou.

Já o empresário do setor têxtil, Luiz Agrepino Gregório, chegou a ter prejuízo por conta da irregularidade da transmissão. “A tensão foi tão forte que o estabilizador de uma das máquinas não aguentou e a placa queimou. Falta energia na cidade, e mesmo com um gerador próprio da fábrica ele não é suficiente”, contou.

As reclamações, no entanto, vão além da capacidade energética fornecida pela Enel às empresas da região. Os clientes contaram que enfrentam problemas básicos de atendimento, como falta de poda de árvores que encostam na fiação, o recebimento de contas atrasadas e a dificuldade em estabelecer acordos para melhorar o fornecimento de energia na região.

Diretor de uma empresa de papel da região, Marlon Faria contou que já realizou 150 reuniões com a Enel desde 2002. “Trabalho com energia elétrica a vida inteira e esse é o pior momento da Enel nos meus 35 anos de profissão. Eu acho que, como cidadão do Noroeste Fluminense, na minha profissão de engenheiro eletricista, é inaceitável a postura da Enel”, criticou.

A prestação do serviço da Enel também foi questionada pelo presidente da Câmara dos Vereadores de Itaperuna, Sinei Menezes (PSC). “Todo dia nós recebemos reclamações da população. Os valores cobrados do contribuinte subiram 30% sem nenhuma justificativa, a Enel faz a poda das árvores e deixa os galhos pelas ruas. Nós pagamos uma fortuna de iluminação pública, mas a oscilação da tensão queima as lâmpadas com muita frequência. O jeito que a Enel trata a população é horrível”, disse.

A diretora de Relações Institucionais da empresa, Andréia Câmara Andrade, reconheceu que a empresa precisa melhorar a logística e a forma de atuação. “Todas as demandas estão mapeadas e estamos trabalhando para resolvê-las. A ideia não é se desculpar, mas dizer que não há má-fé por parte da empresa. Temos limitações e inúmeras oportunidades de melhorias. Estamos trabalhando nelas”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

Rio e União assinam acordo de recuperação fiscal

Até dezembro deste ano, estado pagará ao Tesouro Nacional, a partir de agosto, cerca de R$ 300 milhões por mês.

Preços da indústria subiram 1,83% em maio

Segundo IBGE, índice acumula taxas de 9,06% no ano e de 19,15% em 12 meses.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time