30.7 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Energias do Brasil dobra ganhos no 3º trimestre

O lucro da Energias do Brasil mais que dobrou no terceiro trimestre, ao fechar em R$ 114 milhões, em comparação aos R$ 54,6 milhões obtidos em igual período de 2005. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) obteve avanço de 70%, para R$ 339 milhões. Os resultados compreendem ativos totais de R$ 9,2 bilhões, nas áreas de distribuição (Bandeirante, Escelsa e Enersul), geração (EDP Lajeado, Energest e Enerpeixe) e comercialização (Enertrade) de energia elétrica
A entrada em operação da terceira turbina da Usina Hidrelétrica Peixe Angical, em setembro, somada à produção de dois geradores já em funcionamento desde julho, contribuíram com R$ 46,9 milhões para o Ebitda do terceiro trimestre. “Construímos uma hidrelétrica de 452 megawatts em três anos, o que é considerado tempo recorde em razão de seu porte”, afirma António Martins da Costa, diretor-presidente da Energias do Brasil.
No terceiro trimestre de 2006, a receita operacional bruta foi de R$ 1,55 bilhão, 4% a mais que o total registrado no mesmo período do ano passado. A receita operacional líquida alcançou R$ 1,14 bilhão – aumento de 3,8% sobre o R$ 1,1 bilhão registrado no terceiro trimestre de 2005. “Os reajustes tarifários concedidos pela Aneel para as distribuidoras, no período, e o crescimento no volume de energia distribuída e comercializada são alguns dos fatores que contribuíram para o aumento da receita operacional líquida”, complementa Martins da Costa.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.