Engasga com uma pulga e engole um elefante

O Governo Temer, através da Controladoria-Geral da União (CGU), comemora ter evitado um prejuízo de R$ 9,32 bilhões aos cofres públicos nos últimos 12 meses. A economia se deve a ações de auditoria, fiscalização e revisão de regras de programas sociais. Por exemplo, o cancelamento de auxílios-doença e aposentadorias por invalidez por irregularidades, assim como no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e no Seguro-defeso do Pescador Artesanal. O valor é expressivo e equivale a aproximadamente um terço do orçamento do Bolsa Família em 2017. Desde 2012, segundo a CGU, a economia decorrente de fiscalizações do órgão chega a R$ 18 bilhões.

O número, porém, parece economia de lápis e clipes se comparado ao que o Governo Federal deixaria de torrar em juros se fosse realizada a auditoria da dívida pública, prevista na Constituição de 1988, mas sempre driblada com os mais cínicos argumentos – inclusive pelos governos petistas. Em 2017 já foram pagos mais de R$ 200 bilhões em juros sobre o débito interno – valor que não inclui os gastos com rolagem e novas emissões de papelório. Maria Lúcia Fattorelli, da Auditoria Cidadão da Dívida, enumera uma série de irregularidades que poderiam levar ao cancelamento de boa parte do que o país deve. Há caso até de dívida prescrita.

 

Recorde

A Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) divulgou seu relatório anual, em que apresenta um apanhado geral das ações executadas ao longo de 2016. A partir dessa edição, o documento divulgará um ensaio da atividade portuária acerca da movimentação de cargas nos Terminais de Uso Privado (TUPs) e os investimentos do setor.

Mesmo diante de um cenário de instabilidade econômica, os terminais privados permanecem batendo recorde de movimentação. O relatório pode ser visto em http://portosprivados.ibsweb.com.br/files/RELATORIO-ATP.pdf ou pelo site www.portosprivados.org.br

 

Crise faz mal à cabeça

O agravamento da crise político-econômica tem aumentado os afastamentos dos trabalhadores do emprego. Atualmente os transtornos mentais – como depressão, ansiedade e dependência de álcool e drogas – já são a segunda causa de afastamento do trabalho em São Paulo (a primeira causa são as lesões por esforço repetitivo).

O médico psiquiatra Marcello Finardi Peixoto enxerga mudança no perfil dos pacientes. Se antes recebia em seu consultório majoritariamente mulheres e donas de casa com questões alheias ao trabalho, agora o público maior é de empresários e executivos sofrendo os efeitos psicológicos da recessão econômica.

Aproximadamente 30% da população paulistana sofre de algum transtorno emocional contra 23% de outra megalópole, Nova York”, afirma o especialista. Tal cenário levou o psiquiatra a criar um projeto de prevenção dos transtornos relacionados a álcool e drogas.

 

Ausente

Em contraste com a importância que China e Rússia deram ao 2º Fórum de Mídia do Brics, a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) não mandou um único diretor a Beijing, uma sinalização clara da menor importância dada pelo governo Michel Temer ao bloco.

A EBC foi representada apenas na foto oficial e na cerimônia de abertura por uma repórter que já se encontra na China, para um curso oferecido pelos chineses a jornalistas latino-americanos (a ida de profissionais do continente foi anunciada pelo presidente Xi Jinping em novembro do ano passado, no encontro da mídia chinesa e latina ocorrido no Chile).

Da China, anfitrião do 2º Fórum, estavam presentes os principais meios de comunicação, a começar pela agência Xinhua, organizadora do evento, o Diário do Povo e a Rádio China. Da Rússia, compareceram dirigentes da Tass e da Sptunik.

 

Rápidas

Foi lançado no STF o livro Prisão e Medidas Cautelares Diversas: A Individualização da Medida Cautelar no Processo Penal, de Rodrigo Capez, que trata de assuntos polêmicos da atualidade, muitos deles relacionados à Operação Lava Jato. Capez exerce as funções de juiz auxiliar no gabinete do ministro Dias Toffoli *** O Samba no Pátio, do Shopping Jardim Guadalupe (RJ), passará a ser realizado toda sexta-feira, a partir das 19h *** “A importância do Retorno sobre Investimento (ROI) sobre o Capital Humano” é o tema principal do Seminário de 5 anos do Instituto Brasileiro de Governança Trabalhista (IBGTr), que acontece no dia 28 de junho, em Curitiba. Luis Zanciskoski, executivo da Volvo, contará como a empresa trabalha com o sistema. Informações: www.ibgtr.com.br *** O advogado Roberto J. Pugliese e o engenheiro agrônomo José Aragon estarão em Ilha Grande, nesta sexta, para realizar palestra sobre inconsistências legais da cobrança incidente em terrenos de marinha. O evento faz parte do 60º Fórum de Turismo da Ilha Grande e será no Centro Cultural Constantino Cokotós, na Vila do Abraão, às 14h. No dia 26, realizam a mesma palestra em Paraty, no hotel e pousada Imperador *** O Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) completa 70 anos neste sábado.

Artigo anteriorRomper barreiras
Próximo artigoSeguro e genética
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.