Enviado especial da UE diz ter esperança em acordo definitivo de paz na Colômbia

Internacional / 11:30 - 15 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O enviado especial da União Europeia para a paz da Colômbia, o irlandês Eamon Gilmore, afirmou, nessa segunda-feira, que tem esperança em um acordo definitivo para o fim do conflito no país. Gilmore iniciou pelo departamento de Boyacá, no centro, a sua terceira visita ao país, com o objetivo de conversar com as autoridades e com a sociedade civil sobre a cooperação no pós-conflito. - Todos nós estamos nos preparando este evento - afirmou, acrescentando que juntamente com o ministro do pós-conflito, Rafael Pardo, foram identificadas áreas nas quais se pode trabalhar: "na Europa sabemos a importância que têm os períodos de paz, depois dos grandes conflitos: eles são necessários para uma paz duradoura". Eamon Gilmore conversou com várias comunidades que trabalharam em assuntos como o desenvolvimento local e rural e manteve contato com produtores de fruta, café e cerâmica. A embaixadora da União Europeia no país, Ana Paula Zacarias, que também esteve em Boyacá, assegurou que "a UE é um ator histórico e reconhecido na construção da paz na Colômbia". Ela lembrou a criação de um fundo, prometido pelo bloco dos 28 [os países-membros da UE] para ajudar a financiar o pós-conflito colombiano, afirmando que "é mais uma gota num rio de cooperação que a União Europeia tem tido com o país". O enviado especial da UE anunciou que depois da visita à Colômbia, que conclui na próxima sexta-feira em Villavicencio, capital do departamento de Meta (centro), seguirá para Havana, sede dos diálogos de paz do governo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). O governo e as Farc negociam, desde novembro de 2012, o fim de meio século de conflito armado no país. Gilmore foi nomeado enviado especial para a paz da Colômbia em 1º de outubro pela Alta Representante da União Europeia para Assuntos Externos e Política de Segurança, Federica Mogherini. Agência Brasil, com informações da Lusa

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor