33.1 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Epa!

A Secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro está demitindo todos os funcionários das recém-criadas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), menina dos olhos do secretário Sérgio Côrtes e do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB). Segundo a diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Previdência Social, Saúde e Trabalho (Sindsprev/RJ) Silene Souza, os cooperativados das UPAs se julgam traídos: “Sérgio Côrtes e Cabral prometeram que todos seriam transferidos para as fundações de direito privado, quando elas começassem a administrar as UPAs, o que foi mais uma mentira desses senhores, já que os trabalhadores só poderiam ser contratados pelas fundações através de concurso público”, afirmou a sindicalista.

De fora
O Sindsprev/RJ também nega informação do governador Sérgio Cabral Filho que, em entrevista à TV, disse que os profissionais da saúde receberam reajuste de 8%. Segundo o sindicato, os servidores estaduais da saúde foram preteridos.

Procuram-se líderes
O rebaixamento da política a um substrato da economia chegou a tal ponto que, desde o fim da ditadura, há 23 anos, o Brasil marcha, neste domingo, para as eleições mais anódinas em duas décadas. Com os partidos reduzidos a amontoados  de siglas, com escassas diferenças entre si e tendo em comum, em essência, o apetite desmedido por chegar ao poder, marqueteiros passaram a vender candidatos sem idéias e vontades próprias, se não a de repetir o que as pesquisas apontam o que o público, supostamente, “gostaria de ouvir”. Por ironia do destino, tal enxovalhamento da política coincide com a erupção da mais grave crise mundial desde o crash de 1929. E esta, como ensina a história, foi vencida pela Política e pelos estadistas que souberam mobilizar suas sociedades.
Cerca de 80 anos depois, mais do que nunca crise, como pensam os orientais, precisa ser sinônimo de oportunidades. Pode ser difícil, mas a opinião pública precisa perseverar e, em meio ao mar de sopa de letrinhas, encontrar, se não estadistas, líderes à altura do momento.

Sinal trocado
O presidente da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Earl Maucker, que vinha mantendo constrangedor silêncio sobre os ataques a jornalistas de emissoras estatais bolivianas pela oposição de direita, finalmente abandonou a mudez. Afirmou que um dos principais problemas da imprensa na América Latina é o “crescente número de governos esquerdistas intolerantes”.

Alô, Alô…
Quinta-feira, em plena montanha russa da Bovespa, uma das principais corretoras do Rio não penou apenas com o estresse das operações de mercado. Num mercado cuja agilidade é medida em segundos, a corretora ficou o dia inteiro com os telefones fora do ar. O conserto só foi providenciado no dia seguinte.

Cuidado
Ao anunciar que baniu de seus resultados lojas que não possuam boas práticas de comércio eletrônico, listando apenas lojas em que os consumidores possam confiar, o site de pesquisa de preços Bondfaro deu uma medida de quão perigoso pode ser comprar via Internet: a partir de agora, serão apenas 950 empresas listadas no site, 7% do total anterior. Ou, visto por outro lado: cerca de 13 mil empresas de comércio eletrônico não atendem aos 29 requisitos de segurança e bom atendimento exigidos pelo Bondfaro. Entre eles, aceitar ao menos dois cartões de crédito ou uma ferramenta de pagamento digital com garantia de entrega, estar afiliada ao e-bit e ter CNPJ em situação regular e ativo por mais de um ano.

Tiro no Buscapé
Ao divulgar seus novos critérios, o site Bondfaro aproveitou para alfinetar o concorrente – e líder no segmento: “Ao contrário de outros serviços similares como, por exemplo, o BuscaPé…”. O “detalhe” é que o Bondfaro é controlado pelo… grupo BuscaPé.

Sinal vermelho
Técnicos da Assessoria de Segurança Empresarial da Nova Cedae e policiais da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) anunciaram que encontraram, na tarde de sexta-feira, uma ligação clandestina de água no escritório e na garagem da Breda Transporte de Turismo Rio, na Rua Pitimbu 77, em Curicica, Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.

Artigo anteriorÉ brinquedo, sim
Próximo artigoDesalento
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.