EPE: consumo de energia elétrica no Brasil cai 5,9% em janeiro

Conjuntura / 14:19 - 2 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O consumo de energia elétrica no Brasil totalizou 38.214 GWh no mês de janeiro, registrando queda de 5,9% em relação a igual mês de 2015. Este resultado foi influenciado pela queda acentuada do consumo da classe industrial (-9,3%), a mais alta registrada desde o ano de 2010. As classes residencial (-5,4%) e comercial (-3,7%) também contribuíram para o resultado negativo do mês. Temperaturas mais amenas, verão mais chuvoso, além da deterioração do cenário econômico, foram os fatores que influenciaram o comportamento observado nestas classes, principalmente nas regiões Sul e Sudeste. Feirão de negociação parcela débitos de clientes em atraso nas contas de luz A dona de casa Ernana Santos, moradora de Fortaleza (CE), conseguiu parcelar em sete vezes sem juros a dívida que tinha com a distribuidora de energia Coelce, no primeiro dia do feirão de negociação para regularização de débitos, promovido pela empresa no Ceará e pela Ampla no estado do Rio de Janeiro. O feirão foi iniciado hoje (1º) e se estenderá até o dia 12 deste mês. As duas concessionárias são controladas pela Enel Brasil. Casada, Ernana mora com o marido e um filho e está grávida do segundo. Ela disse à Agência Brasil que esse "era o único jeito" de negociar a dívida, que se acumulava desde outubro de 2015. "Para evitar o corte de energia", decidiu ir ao feirão. O débito somava R$ 478 e subiu para R$ 516 porque teve que regularizar a conta, que não estava em seu nome. Para Erenildo Caetano da Silva, que tem uma pequena oficina de pintura e mecânica de motos, também em Fortaleza, o feirão foi uma boa solução, "porque a situação não está muito boa para ganhar dinheiro e o preço da energia está muito alto". Ele tinha cerca de seis contas vencidas desde o ano passado, que somavam R$ 800. Deu uma entrada de R$ 82 e parcelou o resto do débito em 18 vezes. O gerente de Serviços ao Cliente da Enel Brasil, Ranier Lima, informou que além da isenção de juros, as condições especiais do feirão incluem a não cobrança de multa e uma entrada para pagamento de valor reduzido. Nas duas edições do feirão no ano passado, foram feitos 17.982 parcelamentos de faturas, sendo 5.784 de clientes da Ampla e 12.198 de clientes da Coelce. Ranier Lima disse que o maior número de negociações no Ceará resulta da maior área de concessão da Coelce, com 184 municípios e 3,2 milhões de clientes, contra 67 municípios da Ampla, no Rio de Janeiro, e quase 3 milhões de clientes. Como participar - Para participar do feirão, o cliente deve ter uma fatura vencida há, no mínimo, 60 dias. Caso o consumidor seja cadastrado no benefício de baixa renda ou tenha perdido o benefício no ano passado, precisa estar com dívida de 30 dias. De acordo com o gerente, é muito fácil negociar no feirão. "Basta ir a qualquer agência de atendimento, de posse do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e de uma conta de energia. Na mesma hora, sai com a negociação fechada". Ele reiterou que as concessionárias estão fazendo o parcelamento da dívida histórica. "Ou seja, o cliente virá com o valor histórico em atraso e a gente não vai cobrar juros nem multa". As negociações com clientes em atraso ocorrem durante todo o ano mas, exclusivamente no período de feirão, são concedidas as condições diferenciadas. Ranier Lima explicou que de acordo com as orientações do mercado, a partir do décimo quinto dia de dívida, o cliente já está sujeito a ter o fornecimento de energia suspenso. Os clientes com mais de dois meses de atraso estão sendo chamados para fazer as negociações, "exatamente para evitar esse momento crítico, que é o do corte no fornecimento", disse Lima. Durante os dias úteis, o atendimento será prestado em todas as agências da Coelce e da Ampla nos dois estados, no horário comercial. Nos dias 5 e 12, o atendimento será especial em quatro lojas da Coelce, na capital cearense, e em lojas da Ampla em quatro municípios (Niterói, São Gonçalo, Cabo Frio e Campos dos Goytacazes). Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor