Equipe econômica confessa fracasso da política neoliberal

O Brasil voltará à recessão no segundo semestre do ano que vem, apesar de ainda conseguir fechar 2020 com leve crescimento (de 0,3%). Nos anos seguintes, queda de 0,5% (em 2021), de 1,1% (2022) e tombo de 1,8% (2023).

A previsão foi feita em tom de ameaça pela equipe econômica para pressionar pela aprovação do desmonte da Previdência. Mas mesmo em um cenário que considera a aprovação da reforma, o país continuaria crescendo abaixo da média mundial. O PIB aumentaria 2,9% ao ano em 2020 e 2021 e 3,3% nos dois anos seguintes.

O quadro é o oposto do prometido quando a radicalização das políticas ortodoxas começou com Joaquim Levy, em 2015 (culpem Dilma por isso) e se aprofundou com Henrique Meirelles. De lá para cá, queda de 3,5% (2015) e de 3,3% (2016) e modestíssima alta de 1,1% em 2017, percentual que deve ter se repetido em 2018.

A culpa, claro, é sempre dos outros: previdência, greve dos caminhoneiros, eleições… E o futuro, prometem repetidamente (alguém lembra do Malan, na década de 90, início dos anos 2000?), será brilhante, se forem feitos mais cortes e insistirmos na austeridade.

O que a equipe econômica divulgou é uma confissão do fracasso dessa política que já esgota o Brasil há quatro anos e, se não for mudada, terminará a destruição nos próximos cinco. A reforma da Previdência teria efeito inverso ao que juram os sábios do Ministério da Economia. Ao cortar a renda, especialmente em um momento de fraco crescimento, desestimula o consumo. Sem consumo, as empresas vão investir para vender para quem?

De concreto, o que se tem é que o país caminha para nova recessão. E até aqui, quase dois meses de Governo Bolsonaro, não se ouviu uma vez a palavra “emprego”, nem “investimento”. O que se fez foi manter ou elevar os impostos, como a tabela do Imposto de Renda das pessoas. Mais um tiro no consumo.

 

À distância

O ministro Bruno Dantas solicitou abertura de fiscalização para averiguar a compatibilidade de atribuições e eventuais abusos no teletrabalho de defensores públicos residentes no exterior. Para o ministro, é questionável que esses profissionais consigam representar e assistir juridicamente a população menos favorecida a partir de outros países.

 

Sol nascente

Os investimentos em fontes renováveis de geração elétrica em 2018 totalizaram US$ 332,1 bilhões, revela a Bloomberg New Energy Finance. Houve queda de 8% sobre 2017, em boa parte provocada pela mudança na China, líder mundial em energia solar. O país asiático reduziu suas aplicações no setor em 24%.

Apesar disso, a energia solar fotovoltaica liderou os investimentos no mundo, com US$ 130,8 bilhões. A energia eólica ficou em segundo lugar, com US$ 128,6 bilhões, seguida pela biomassa, com U$ 6,3 bilhões, e biocombustível, com US$ 3 bilhões. Geotérmica (US$ 1,8 bilhão), hídricas de pequeno porte (US$1,7 bilhão) e marítima (US$ 180 milhões) vêm em seguida.

 

Procura

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o número de sistemas fotovoltaicos conectados na rede elétrica instalados em São Paulo passou de 4.020, em 2017, para 9.639 no final do ano passado, alta de 139%.

 

Mico na fronteira

O blefe de Juan Guaidó demonstrou que ele, além de acumular déficit de apoio popular, é ruim no pôquer. Há na Venezuela uma consistente oposição a Nicolás Maduro, mas que não dá mostras de que pretende embarcar em uma aventura que levaria ao desmantelamento do país.

 

Rápidas

Com um investimento de R$ 47 milhões, o Hospital Unimed Volta Redonda está com obras de ampliação, com 150 novos leitos, ampliação do Centro de Oncologia, da UTI Adulto e da Neonatal/Pediátrica *** A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI) abriu vagas para médicos radiologistas e ultrassonografistas para atuarem em suas unidades da rede pública da cidade de São Paulo e do interior paulista, com início imediato. Contato via WhatsApp pelo número (11) 99841-0270 *** O Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (EBRD) nomeou a professora de Oxford Beata Javorcik como nova economista-chefe. Ela assume em setembro, substituindo Sergei Guriev *** A Uerj apresenta nesta quinta o ensaio aberto do espetáculo As Histórias que Inventamos Sobre Nós, da Esther Weitzman Companhia de Dança. Detalhes: https://www.facebook.com/events/617287312055671/?active_tab=about ***

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.