Escolas de ensino médio revelam segregação racial

634
Estudantes realizando Enem (Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)
Estudantes realizando Enem (Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)

01A maior parte das escolas de Ensino Médio mais bem colocadas no Enem de 2019, a maioria privadas, possui menos de 10% de autodeclarados pretos e pardos e mais de 30% de não respondentes. “Embora grande parte das escolas não compute a raça e cor de todos seus alunos, os dados daqueles que responderam à questão assustam pela altíssima segregação racial desses espaços”, informa o Boletim GEMAA 9, que apurou a desigualdade racial nas escolas privadas de alto desempenho.

Os dados sugerem que “a segregação racial dessas escolas privadas é comparável àquela existente nos Estados Unidos antes dos anos 1960, quando ainda vigiam leis de segregação racial na educação”.

“Não pode ser natural que a elite brasileira se forme desde a infância em espaços onde não há negros como pares, mas apenas como subalternos”, analisa Luiz Augusto Campos, relator do boletim.

De acordo com o Portal Vermelho, menos de um em cada dez alunos (9,75%) se autodeclara preto ou pardo nas 20 escolas com as maiores notas no Enem 2019 no país (apenas uma é pública). Só três colégios do ranking, todos particulares, têm mais de 20% dos alunos que se declaram negros.

Espaço Publicitáriocnseg

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os negros são maioria, 56%, da população brasileira. As escolas ranqueadas são de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará, Piauí e Paraná.

O Grupo de Estudos Multidisciplinar da Ação Afirmativa (GEMAA) é um núcleo de pesquisa com sede no Iesp-Uerj que avalia a ação afirmativa. Para este boletim, tabulou, com base no Censo Escolar de 2020, a composição racial das escolas de Ensino Médio mais bem colocadas no Enem de 2019.

Leia também:

Brasil é o 42º em educação digital entre 50 países

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui