Especialista destaca sete tendências de trabalho para os próximos anos

Como será o modelo de trabalho em 2022.

A pandemia de Covid-19 revolucionou as relações de trabalho em todo o mundo. Passados dois anos, percebe-se mudanças significativas nos modelos de trabalho, mesmo com o avanço da vacinação e a retomada das atividades presenciais.

Para Jonas Duarte, sócio fundador da Warana Treinamentos e Consultoria e especialista em desenvolvimento humano, as mudanças impostas pela pandemia trouxeram resultados positivos e algumas modificações nas corporações serão permanentes: “Os novos modelos de trabalho que as empresas adotaram de forma compulsória por conta da pandemia revelaram que é possível oferecer mais qualidade de vida e melhores condições de trabalho aos colaboradores. As lideranças compreenderam que o formato presencial e o horário comercial não são as únicas alternativas possíveis” – esclarece.

Diante dessa perspectiva, o especialista destaca sete tendências no modelo de trabalho que algumas emoresas já adotam e devem seguir em alta em 2022:

1. Horário flexível – A semana de quatro dias de trabalho sem salário reduzido é uma nova tendência do mercado e já é realidade em algumas empresas. Uma pesquisa realizada pelo International Workplace Group (IWG), publicada em 2019, por exemplo, mostra que 83% dos profissionais são mais produtivos em uma rotina flexível. A Zee.Dog, empresa de produtos pet, adotou a modalidade há pouco mais de um ano, e os funcionários têm a quarta-feira de folga.  Na Warana, essa flexibilidade é concedida de outra forma. Jonas Duarte esclarece: “Desde que a empresa nasceu, não temos jornada de trabalho. As pessoas falam pra gente quais são os dias que elas estão disponíveis para trabalhar. Existe um acordo de convivência e, dentro desse dia disponível, nós vamos cobrar, liderar e gerenciar. Dentro dessa disponibilidade, nós mensuramos o resultado. Se uma pessoa está disponível apenas dois dias, mas produz mais do que uma pessoa que está disponível cinco dias, ela dá um resultado maior. Então é disponibilidade x resultado. A Warana vive isso na essência, somos um case de sucesso: uma empresa que olha a individualidade, o momento de cada um.”

2.  Flexibilização do formato de trabalho: presencial, remoto ou híbrido – a liberdade de poder trabalhar de qualquer lugar do mundo, também conhecido como anywhere office, ganhou a preferência dos colaboradores e conquistou espaço nas empresas.  Alguns funcionários optaram por sair dos grandes centros e se mudar para cidades menores, mantendo seus empregos e buscando melhoria na qualidade de vida. Para as funções onde não é possível atuar de forma 100% remota, as empresas podem optar pelo formato híbrido, onde o colaborador não vai ao escritório todos os dias da semana.

3. Revisão dos benefícios dados pela empresa – Para um colaborador que está de home office não faz sentindo receber vale-transporte ou auxílio combustível, certo? Nesse caso, as empresas podem rever seus benefícios oferecendo outras opções aos colaboradores, tais como auxílio creche ou auxílio babá; plano de saúde; vale alimentação – que pode ser utilizado em supermercados; cesta básica mensal; entre outros.

4. Busca pela diversidade – Essa é uma das dores dos departamentos de RH: conseguir construir times mais diversos, em todos os sentidos, e que, no médio e longo prazo, ajudem a construir lideranças mais diversas e justas. Uma das tendências adotadas por muitas companhias é a abertura de processos seletivos específicos para mulheres, ou para pessoas negras ou para a comunidade LGBTQIA+, fazendo um filtro inicial dos candidatos.

5. Investir na formação do colaborador, oferecendo treinamentos, cursos e especializações – Da mesma forma que o trabalho remoto se tornou uma realidade, a demanda por cursos online também cresceu. Essa pode ser uma alternativa para as empresas investirem na formação de seus colaboradores, oferecendo a eles cursos e treinamentos que podem ser feitos virtualmente. Na Warana, todos os treinamentos ministrados em 2021 foram digitais/online, com resultados muito positivos. 100% dos clientes recompraram os treinamentos para 2022, o que comprava a efetividade dos resultados.

6. Um olhar mais cuidadoso das corporações sobre questões relacionadas à saúde mental dos colaboradores – Saúde mental foi, sem dúvida, um dos pontos mais sensíveis dos últimos dois anos. Com isso, o tema ganhou espaço dentro das companhias e merece um olhar cuidadoso de gestores e líderes. Uma das opções é oferecer atendimento dentro da própria empresa ou disponibilizar a opção de teleatendimento para os colaboradores que precisarem, bem como apoio no tratamento e medicações.

7. Incentivo às práticas de bem-estar, tais como atividade física, ioga, meditação – Como uma extensão dos cuidados relacionados à saúde mental, as empresas começam a entender que incentivo à atividade física e práticas de bem-estar podem funcionar como uma prevenção ao desenvolvimento de transtornos mentais como ansiedade, depressão e síndrome do pânico. Parceria e descontos com academias de ginástica e professores pode ser um ótimo benefício para os colaboradores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

ANP: Aprovadas as primeiras inscrições para oferta permanente

São 11 blocos em oferta, localizados na Bacia de Santos e Bacia de Campos

Marco regulatório: micro e minigeração distribuída de energia elétrica

Resultado da derrubada pelo Congresso Nacional, em julho, de dois vetos presidenciais ao PL 5829/19

Na violência contra a mulher, a empresa pode e deve meter a colher

Empresas devem investir em educação social junto aos colaboradores.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.