31.3 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

Especulação

“Dados da revista The Banker deste ano dão conta que os mil principais bancos comerciais do mundo possuem US$ 52,4 trilhões de ativos financeiros, sendo que apenas US$ 2,4 trilhões são capital próprio. Portanto, menos de 5% do total; os outros 95% são emitidos como recursos virtuais que circulam pelo mundo em alta velocidade. Um dia apenas de circulação desses recursos seria suficiente para prover grande parte das políticas públicas que certamente emergirão daqui”, afirmou a governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Garotinho (PMDB), após participar da abertura da Cúpula Mundial da Família – Por uma Política Familiar Global, em Sanya, província de Hinan, na China.

Cumpra-se
O presidente do Conselho Federal Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, ingressou, ontem, no Supremo  Tribunal Federal cobrando o cumprimento do artigo 26 das disposições transitórias da Constituição de 1988, que obriga que o Congresso Nacional “promova e ultime, através de comissão mista, exame analítico e pericial integral, sob todos os   aspectos, de todos os atos e fatos geradores do endividamento externo   brasileiro”. Em linguagem menos empolada, audite a dívida externa brasileira, ponto, aliás, recorrentes nos programas petistas. Como depois de 16 anos, o preceito constitucional não foi cumprida, a OAB resolveu acionar judicialmente o Congresso para que cumpre a lei: “A dívida externa comprometeu o crescimento brasileiro,   permitiu a perpetuação da miséria e atingiu a própria soberania do país”, afirma o parecer do Conselho Federal da OAB aprovado por unanimidade por seus representantes, no parecer que embasa a ação proposta ao Supremo.

De mansinho
Depois de participar, no primeiro semestre do ano, de reunião na qual teceu pesadas críticas ao governo Lula, ao qual acusou de sérios problemas de gerenciamento e incompetência, o economista Antônio Barros de Castro, poucos meses depois, foi guindado ao cargo de assessor especial do então ministro do Planejamento, Guido Mantega. Mais adiante com o defenestramento de Carlos Lessa, substituído por Mantega, Barros, que já presidiu o banco na gestão de Itamar Franco, acabou na diretoria da instituição.

Briga de comadres
A bem da verdade, registre-se que Castro, na reunião na qual criticou o governo Lula, mostrou, no essencial, seu alinhamento com a política econômica, apesar do forte saudosismo do governo FH. Suas críticas mais fortes foram em relação à operação do governo petista e à competência dos seus operadores. Até cerca de dois anos, a convergência com idéias tucanas era encarada por petistas como grave ofensa. E críticas à sua capacidade de governar, como despeito e preconceito tucano. Com quase dois anos de governo, as primeiras passaram a soar como elogio e as segundas, como críticas construtivas ou, no máximo, brigas de comadres. Isso talvez explique por que Carlos Lessa, que não se converteu, está fora do governo Lula e Barros, que continua pensando como antes, acabou na cúpula do BNDES.

Globalização
“A Integração Econômica Internacional na Era da Globalização” é o tema da palestra que o professor José Luiz Conrado Vieira faz hoje no IbmecLaw (Centro de Estudos em Direito do Ibmec São Paulo). O assunto é o tema central de livro de Conrado Vieira editado pela Letras & Letras (496 páginas, R$ 49) e que será lançado na ocasião. O evento será realizado no auditório da Unidade Paulista do Ibmec São Paulo às 19h30m. Os interessados em participar devem confirmar presença pelo telefone (11) 3253-0344.

Alimentos
A Legião da Boa Vontade lançou em todo o Brasil sua tradicional campanha “Natal de Jesus – O Pão Nosso de Cada Dia!”. O objetivo é arrecadar e distribuir cerca de 350 toneladas de alimentos, que serão entregues entre os dias 10 e 22 deste mês em dezenas de cidades brasileiras.

Conhecimento de causa
Entre 1984 e 2003, a renda per capita brasileira cresceu apenas 0,94% ao ano. A continuar essa ritmo, seriam necessários cerca de 70 anos para dobrar o padrão de vida dos brasileiros. Os dados constam do estudo inicial que vai subsidiar o novo programa do PFL. Segundo o partido, os dados provam ser preciso “realizar transformações profundas na vida nacional para romper essa situação insuportável”. Não se pode dizer que o PFL não sabe do que fala. Nos  20 anos analisados, em 19 deles o partido esteve no governo.

Artigo anteriorCombustível
Próximo artigoMadame Palocci
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.

UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021; economista mantém previsão de crescimento do PIB do país em +3,5%.

Exterior abre positivo e Copom no radar interno

Na Ásia, Bolsas fecharam sem sinal único; Hong Kong registrou avanço de 1,08%.

Índice Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos

No momento, o futuro do índice Ibovespa está em alta de 0,03% e o futuro do dólar está em queda de -0,34%.

Comportamento indefinido

Ontem, logo cedo, Europa seguia a trilha de alta dos mercados da Ásia, o mesmo acontecendo com o mercado americano.