À espera de acordão ou acórdão

A condenação de Lula por Sergio Moro multiplicou uma série de conjecturas nas redes. Uma delas, sobre um acordão que...

A condenação de Lula por Sergio Moro multiplicou uma série de conjecturas nas redes. Uma delas, sobre um acordão que livraria o ex-presidente e todos daqui para frente. Outra, de que a decisão de Moro seria reformada por acórdão do tribunal superior. Nada pode ser descartado, ainda mais tendo em Brasília nomes como Michel Temer, Romero Jucá, Renan Calheiros e Gilmar Mendes. Tirar Lula do páreo em 2018 é o sonho do mercado (ainda que a banca tenha recheado os cofres na administração petista), que não esconde também querer afastar ameaças pouco confiáveis, como Bolsonaro. Analista político amigo da coluna avalia que as eleições do ano que vem estarão mais para a experiência francesa, com um novato para “tudo mudar, mantendo tudo como está”, do que para o “mais do mesmo” tradicional.

De qualquer forma, já há gaiato sugerindo a Lula aproveitar que vai recorrer em liberdade e se filiar ao PSDB…

 

Zelo pelos consumidores

A Federação Nacional de Saúde (FenaSaúde) enviou e-mail à coluna comentando nota aqui publicada dia 30 passado com o título “Ineficiência, desperdícios e desvios na Saúde”.

Nota de esclarecimento ao MONITOR MERCANTIL:

As associadas da Federação Nacional de Saúde (FenaSaúde) têm a obrigação de zelar pelo mútuo que os consumidores contribuem para arcar com as despesas médicas dos serviços prestados. Desta forma, faz parte da gestão das operadoras o combate aos desperdícios e fraudes em prol do cuidado à saúde dos beneficiários, e como forma de diminuir a escalada dos custos na área médica.

Nesse sentido, as operadoras de planos de saúde mantêm equipes médicas preparadas para avaliar os procedimentos prescritos e dialogar com o médico, quando necessário, sobre o melhor tratamento a ser adotado para a saúde do paciente. Com essa postura proativa, as operadoras honram a confiança depositada pelos consumidores e o reconhecimento em razão dos serviços prestados. Em recente pesquisa Ibope/Instituto de Estudos da Saúde Suplementar (IESS), 80% dos clientes estão satisfeitos com o atendimento oferecido.

Para combater eventuais fraudes e desperdícios na realização de procedimentos médicos, as operadoras realizam uma série de ações e cobram postura semelhante dos demais atores da cadeia de saúde. Dentre as medidas realizadas pelas empresas, podemos listar:

Dispõe de junta médica para avaliar, em alguns casos, determinados procedimentos solicitados, avaliando a pertinência ou não no pedido. A segunda opinião médica é fundamental para preservar a integridade física e mental dos pacientes, evitando que se tornem vítimas de intervenções desnecessárias, inclusive cirúrgicas;

Cobra transparência dos preços cobrados pela indústria da saúde;

Realiza compra direta de determinados insumos médicos, como Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME);

Promove a integração de sistemas de informação;

Organiza seminários e debates com a sociedade e autoridades sobre o tema, disponibilizando farto material nos meios de comunicação das empresas, como sites e aplicativos.

Por essas e outras ações, o combate ao desperdício é uma prática do dia a dia das operadoras, que buscam junto aos profissionais de saúde a conscientização sobre o aumento dos custos em razão dos excessos de procedimentos. Não se trata de trazer prejuízo ao cuidado à saúde do paciente, mas sim não submeter os beneficiários de planos a procedimentos desnecessários que acabam por onerar as despesas assistenciais. No fim, esse gasto adicional contribui para aumentar o valor das mensalidades dos planos.

A FenaSaúde acredita que o beneficiário de plano de saúde também pode e deve ter papel mais ativo na gestão de sua saúde, ao questionar o profissional de saúde sobre os procedimentos e tratamentos prescritos, por exemplo. Para que o setor seja sustentável nos próximos anos, é preciso que todos os participantes dessa rede – operadoras, prestadores de serviços, indústria da saúde e consumidores – revejam atitudes e tenham noção sobre o impacto dos custos, evitando desperdícios e fraudes.”

 

Rápidas

Na próxima semana, dias 20 e 21, o Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro, receberá o Campeonato Nacional de Empreendedorismo Social Enactus (www.enactus.org.br) *** O Passeio Shopping, no Rio, apresenta a Exposição de Artesanato até 15 de agosto, com objetos decorativos, acessórios e peças de vestuário.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuem semeia vento…
Próximo artigoTemer tem razão

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...