Esquerda vence na Colômbia pela primeira vez

Ex-guerrilheiro do M-19, economista Gustavo Petro já tinha sido candidato à Presidência em 2010 e 2018.

Os colombianos foram às urnas ontem e elegeram Gustavo Petro como presidente e Francia Márquez como sua vice. É a primeira vez em que a esquerda sobe ao poder no país.

Ex-guerrilheiro do grupo M-19, o economista é ex-senador da República pelo período 2018- 2022 e fundador do movimento político Colômbia Humana. Petro já tinha sido candidato à Presidência em 2010 e 2018.

Compondo a chapa, a também eleita Francia Márquez é a primeira vice-presidente negra do país.

Do outro lado, pela direita, concorria o empresário Rodolfo Hernández, que fez uma campanha focada no combate à corrupção apesar de enfrentar investigações de irregularidades.

Petro, ex-prefeito de Bogotá e atual senador, prometeu melhorar as condições sociais e econômicas de um país onde metade da população vive em alguma forma de pobreza. Ele é um ex-membro do movimento guerrilheiro M-19 e propôs uma ambiciosa reforma tributária de US$ 13,5 bilhões – equivalente a 5,5% do produto interno bruto da Colômbia – financiada por impostos mais altos sobre os mais ricos.

Já Hernández foi impulsionado por promessas anticorrupção, planos para encolher o governo e moradia para os pobres. No entanto, ele enfrenta uma investigação da Procuradoria-Geral por supostamente intervir em uma licitação de coleta de lixo, quando era prefeito de Bucaramanga, para beneficiar uma empresa para a qual seu filho fazia lobby. Hernández nega as acusações e apoiadores gostam de sua imagem anti-establishment.

O novo presidente da Colômbia receberá uma economia em crescimento, após profunda crise causada pela pandemia.  PIB do país cresceu um recorde de 10,7% em 2021 e deve subir 6,5% em 2022. O déficit do governo deve atingir 5,6% do PIB, em comparação com uma meta anterior de 6,2%.

Para Denilde Oliveira Holzhacker, professora de Relações Internacionais e coordenadora geral do Programa de Pesquisa e Pós-graduação Stricto Sensu da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), “a vitória da esquerda na Colômbia é um importante marco para o país e consolida a visão de uma nova onda de governos progressistas na América Latina.”

Segundo ela, a pequena diferença com o segundo colocado e um Congresso sem controle da maioria dos parlamentares, coloca o presidente eleito em um grande desafio para a implementação de sua agenda de campanha.

“Construir uma agenda política de consenso será um importante passo, por outro lado, são grandes as expectativas para mudanças nas áreas sociais e de segurança pública. A Colômbia e o Chile serão importantes na liderança de uma esquerda latino-americana com políticas inovadoras e centradas nos desafios do século XXI, como desenvolvimento sustentável e melhores condições sociais e econômicas para as populações”.

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Reuters; e do G1

Leia também:

Colômbia: Petro consolidará votação no segundo turno?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics terá cooperação espacial entre os países-membros

China prevê plano para cooperação de satélites de sensoriamento remoto.

Aumento da Selic eleva gasto extra com juros em R$ 400 bilhões

Dívida Pública sobe 2,01% em maio e vai para R$ 5,7 trilhões.

EUA já estão em recessão, dizem especialistas

Produção de bens e serviços deve cair 1% no semestre.

Últimas Notícias

Mania de Churrasco! Prime Steak & Burger abre 12º restaurante no Rio

Unidade da rede de churrascarias no Shopping Nova Iguaçu terá diferenciais especiais.

BB: Crédito para antecipação de IR já supera 2021

Clientes do banco podem antecipar até 100% do valor da restituição do IR, até o limite de R$ 20 mil

Governo divulgará preços dos combustíveis após a redução do ICMS

Ministro: Gasolina cairá de R$ 7,39 para R$ 5,84

Ibef-SP debate o futuro dos meios de pagamento

Ampliar o conhecimento sobre as novas tecnologias para realização de pagamentos nas empresas

Petrobras reinicia processo de venda de três refinarias

50% da capacidade de refino nacional, totalizando 1,1 milhão de barris por dia de petróleo processado