Esqueçam o que governamos

“A crise do desemprego na qual o Brasil está mergulhado e a incapacidade do governo do Partido dos Trabalhadores de cumprir a promessa de campanha de gerar, em quatro anos, 10 milhões de vagas de trabalho (…)”. Assim começa a divulgação do Seminário Crescimento Econômico e Emprego, que será realizado no próximo dia 31, no Hotel Glória, no Rio de Janeiro pelo… PSDB.

Quem paga a conta
Um dos principais especialistas em contas públicas do país, o economista Dercio Munhoz, professor da Universidade de Brasília, ironiza em artigo intitulado “A nova e misteriosa caixa preta Fazenda/Banco Central” o consenso produzido na mídia em torno da aprovação da política econômica. Segundo Munhoz, quando se ouve as opiniões de diferentes setores do governo a situação da economia, parece que estamos em outro país. Essa sensação é fortalecida pelos elogios, repetidos nos últimos dez anos por funcionários do FMI e do governo dos Estados Unidos.
Ele observa que o contentamento desses palpiteiros externos se restringe à obediência de dois itens: os superávits primário e nas contas externas, ambos considerados essenciais para assegurar o principal objetivo de um governo nessas plagas: garantir regiamente em dia os pagamentos dos juros das dívidas interna e externas, que fazem a festa de rentista e especuladores.
Munhoz adverte, no entanto, que, a despeito, desse tipo de emulação, repetido internamente pela equipe econômica, que a manutenção da política de juros elevados e de aumento da carga tributária, fez o salários desabarem 12% “apenas em 2003, no primeiro ano da gestão Palocci/Meirelles, numa estratégia que, pelo rigor com que repete a política econômica de 1995-2002, deveria ser chamado simplesmente de Plano Real II.”.
E adverte que, a ser mantida, a atual política econômica, até o fim de 2004, a participação dos salários no PIB deverá recuar para 22%, contra 35,9%, em 1993, apenas um ano antes do Plano Real: “Um custo baixo para o país e para a população – diriam os cínicos “doutores” superempregados – números “desprezíveis” que atestariam o sucesso da dupla Malan/Palocci para garantir o ajuste fiscal e o controle da inflação. Como o mercado quer, como o mercado gosta. Da forma que interessava ao governo anterior e que motiva setores da atual administração”, ironiza o economista.

Paredão
O professor Fernando Cardim, da UFRJ, também acha que a equipe econômica está revivendo os tempos de FH: “Naquele período, a função do ministro da Fazenda era contar mentiras tipo “sei o que faço, as coisas estão sob controle”.” Para Cardim, que defende o controle de capitais, a questão do momento não é avaliar as decisões do Comitê de Política Monetária (Copom), mas quanto tempo o modelo atual vai durar: “Principalmente quanto à política monetária, estamos vendo a parede chegar, mas o governo apenas torce para que seja macia”, ironiza.

Rumo a Miami
O diretor geral da American Airlines, Erli Rodrigues, disse que, a partir de junho, a empresa norte-americana terá vôos diários do Rio de Janeiro para Miami. A nova freqüência responde à crescente demanda do público carioca pela cidade favorita de alguns brasileiros nos Estados  Unidos: “De junho em diante, a American Airlines  terá um total de 23 vôos semanais para os Estados Unidos, servindo, além de Miami, Nova York e Dallas.  Na verdade, são os três grandes hubs (portos), de onde se irradiam conexões para o mundo todo, da América Latina e Europa até o Extremo Oriente”, diz.

Jamegão
Reconhecer uma assinatura ficará mais fácil para quem fizer o curso Grafoscopia, promovido pela Associação e pelo Sindicato dos Bancos do Rio de Janeiro, no próximo dia 31. Inscrições pelos telefones (21) 2253-1538 e 2203-2188 ou pelo e-mail [email protected]

Olho aberto
A proposta da China de canalizar para o setor de minérios e em soja os US$ 5 bilhões a que se dispõe investir no Brasil reatualiza antigo adágio popular que definia negócios da China como sinônimo de vantagem para o comprador. Ao se concentrar em dois setores estratégicos para garantir seu crescimento e alimentar a sua população, a China transfere a antiga definição para países que se limitam a exportar produtos primários e a comprar  mercadorias de maior valor agregado e até mil vezes mais caras.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLição das urnas
Próximo artigoAgressão

Artigos Relacionados

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões