Estados podem devolver R$ 200 milhões do ICMS de software

Por Atila Melo.

Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais poderão ter que devolver R$ 200 milhões relativos a ICMS de software cobrados entre 2014 a 2019. O STF, firmou em 11/11/2020, maioria na ADI 5659 (Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio) para declarar inconstitucional a cobrança de ICMS sobre o licenciamento ou a cessão de direito de uso de software, padronizado ou por encomenda. Pacificou-se na Suprema Corte o entendimento segundo a qual deve ser pago o ISS municipal.

A ministra Cármen Lúcia e o ministro Edson Fachin se manifestaram pela incidência do ICMS sobre os programas de computador, por se tratar de criação intelectual produzida em série destinada à atividade mercantil. Já o ministro Gilmar Mendes divergiu em parte, ao admitir a incidência do ISS sobre os softwares desenvolvidos de forma personalizada e do ICMS sobre os softwares padronizados, comercializados em escala industrial e massificada.

O ministro Dias Toffoli sugeriu em seu voto modular os efeitos desta decisão, de forma prospectiva, ou seja, com efeitos somente a partir da ata de julgamento. Porém, neste ponto, o ministro Marco Aurélio não concordou. De modo que apenas cinco ministros concordaram e votaram pela modulação dos efeitos. De acordo com o art. 27, da Lei 9.868 de 1999, são necessários que oito membros do STF, equivalente a 2/3, votem neste sentido.

Ao se concretizar a não modulação dos efeitos da decisão proferida na ADI 5659, os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que cobraram ICMS sobre softwares no período de 2014 a 2019, poderão ser obrigados a devolver mais de R$ 200 milhões aos contribuintes, segundo dados apresentados pela Abrasf – Associação Brasileira das Secretarias das Finanças das Capitais.

Pelo cenário atual, a tendência é que não haja modulação dos efeitos da decisão que considerou inconstitucional a exigência de ICMS sobre software, pois restando apenas dois votos dos ministros Luiz Fux e Kassio Marques, mesmo que ambos votem pela modulação, ainda sim, não se atingiria o quórum mínimo exigido de 8 votos previsto na lei.

Nesse contexto, não havendo modulação dos efeitos da decisão proferida na ADI 5659, todas as empresas que pagaram ICMS sobre softwares poderão pleitear, por via administrativa ou judicial, a devolução do valor pago, devidamente atualizado, respeitando-se o prazo prescricional de 5 anos.

 

Atila Melo é tributarista do Manna, Melo & Brito Advogados.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

O cenário da construção civil para 2022

Por Victor Gomes.

‘Olhos de Água’, romance delicado e apaixonante

Por Paulo Alonso.

Agro, imóveis e criptomoedas manterão crescimento das fintechs em 2022

Por Renato Aragon (*) Devido ao surgimento de uma grande quantidade de fintechs nos últimos anos, não são raras as especulações sobre a possibilidade de...

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...