26 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

Estamos vivos; até quando?

Mas a boa notícia é que estamos vivos.” A frase é do presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (Abimaq), João Marchesan. Em artigo com título “Reindustrialização já”, após mostrar o desastre que foram os últimos anos para o setor – de 2012 a 2016, queda de 57% no faturamento, redução das exportações (em dólares) em 24,4% e perda de 80 mil empregos diretos, o empresário expressa otimismo com este ano. “Chegamos ao final desse ano cheios de esperança e com a certeza de que em 2017 seremos protagonistas de um novo cenário, com novas expectativas e com o firme propósito de sugerir a implementação de medidas que façam com que o país retome o rumo do desenvolvimento e crescimento.”

Para Marchesan, o debate econômico está excessivamente concentrado no ajuste fiscal, “mas essa não é condição suficiente para que o Brasil volte a crescer”. “O diagnóstico da equipe econômica está focado apenas no ajuste fiscal e por isso é parcial e equivocado. Na prática, o setor de máquinas e equipamentos precisa de medidas simultâneas para estimular o crescimento”, diz, para em seguida cair na lenga-lenga do setor empresarial: “Não que o ajuste fiscal não seja necessário, mas só ele não resolve o problema do país e do crescimento econômico.”

O que os empresários não veem – ou não deixam que eles vejam – é que os sucessivos cortes de despesas para pagar juros da dívida aprofundam a recessão, como vem ocorrendo desde 2015. O governo precisa efetivamente reduzir seus gastos – mas os gastos financeiros, que representam quase metade do orçamento. Do contrário – e usando uma imagem tosca, bem ao gosto dos colunistas neoliberais que habitam as páginas da grande mídia – seria como um pai de família, com uma dívida alta no rotativo do cartão de crédito, tomar uma decisão radical: cortar o plano de saúde e a escola das crianças.

Massacre de responsabilidades

O massacre de 56 presos no Amazonas detonou uma sequência de abstenção de responsabilidades que começou no ministro da Justiça, que culpou o governo local, que responsabilizou a empresa terceirizada que explora o presídio, que disse que não tem responsabilidade pela segurança dos presos.

Segundo nota da empresa, a direção do presídio é executada por servidor público indicado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, e a disciplina, uso de força, segurança e vigilância armada dos detentos são funções do Estado. Ainda de acordo com a Umanizzare, suas obrigações se resumem a itens como limpeza, conservação predial e alimentação balanceada.

Na rede de omissões entram também os defensores da privatização da gestão dos presídios, que desapareceram desde o domingo. E a mídia, que raramente cita nominalmente o governador José Melo, preferindo o abstrato “Governo do Amazonas”. Menos ainda cita o partido dele, o Pros, do Centrão que sustenta o Governo Temer.

Finalmente, foi ensurdecedor o silêncio do presidente Michel Temer. Compreensível. Ele perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.

Direitos humanos

Em seu site, a Umanizzare garante: “Temos como premissa a aplicabilidade dos preceitos elencados na Lei de Execução Penal, em consonância com a garantia dos Direitos Humanos, ressaltados nas Regras Mínimas para Tratamento do Preso e recomendados pela Organização das Nações Unidas.”

Em massa

A alta temporada do Ano Novo teve 120 milhões de viagens turísticas na China. Algo como se 60% da população brasileira resolvesse sair a passeio entre os dias 31 de dezembro e 2 de janeiro. O setor de turismo movimentou 67,9 bilhões de iuanes (cerca de R$ 32 bilhões) no período, segundo a Administração Nacional de Turismo chinesa.

Cerca de 112 milhões de viagens foram de curta distância, com destinos rurais ou nos arredores das cidades. O plano quinquenal de turismo do Conselho de Estado (2016–2020) prevê que a China transformará o setor em um importante motor para a transformação e modernização econômica, com a receita atingindo 7 trilhões de iuanes (R$ 3,3 trilhões) até 2020.

Rápidas

A Roncato Advogados realiza no próximo dia 19, às 9h30, em São Paulo, a palestra “Relação entre PJ – CLT – Terceirização – Cooperativismo, comandada pela advogada Michely Xavier, especialista em Direito do Trabalho. A inscrição gratuita pode ser feita pelo e-mail comunicacao@roncatoadvogados.com.br ou pelo telefone: (11) 3171-0588 *** O Carreira Bistrô promove no dia 11 de fevereiro, como parte da programação do Bistrô Academy, a 2ª Oficina de Empoderamento da Mulher: Vida & Carreira. O encontro, no Rio de Janeiro, é voltado para mulheres que querem entender, identificar e avaliar seus propósitos e as transformações na vida. Informações e inscrições: ana.couto@carreirabistro.com.br *** O Museu do Café, localizado em Santos, abre novamente o Espaço Café com Leite, de 4 a 29 de janeiro, oferecendo brincadeiras, oficinas e atividades para estimular o conhecimento e a imaginação. O espaço funcionará de quarta a domingo, das 11h às 17h.

Artigo anteriorProfissão de fé
Próximo artigoUm ‘acidente’ no governo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.