Estatal de óleo norueguesa anuncia investimentos de US$ 15 bi até 2030

Rio de Janeiro espera movimentar indústria naval com encomendas do setor de petróleo e gás.

O Estado do Rio de Janeiro deverá receber uma importante parcela dos investimentos programados pela Shell e Equinor para o Brasil, ajudando a movimentar a indústria naval fluminense. Representantes das duas multinacionais anunciaram novos investimentos durante reunião virtual da Comissão Especial de Indústria Naval, Offshore e de Petróleo e Gás da Assembleia Legislativa (Alerj), nesta segunda-feira.

A Shell – maior produtora estrangeira no Brasil – anuncia que investirá mais R$ 1,6 bilhão no Brasil nos próximos cinco anos em pesquisa & desenvolvimento (P&D).

Já a norueguesa Equinor (ex-Statoil) anunciou um valor 25 vezes maior: US$ 15 bilhões até 2030, porém em todas as atividades no Brasil. A Shell esclareceu ao Monitor Mercantil que tem investido uma média de US$ 2 bilhões por ano no País, sem incluir os valores dos leilões.

“Pretendemos destinar esse investimento para o desenvolvimento de projetos, operação e manutenção e recursos renováveis. No meio desse orçamento, há a contratação de prestadores e fornecedores do Rio de Janeiro, que vão contribuir para a geração de emprego e renda no estado”, comentou o diretor de contratos e suprimentos da Equinor, Rafael Amaral.

Por sua vez, o gerente de relações governamentais da Shell, Thomas Lucena, afirmou que a empresa desenvolveu 160 projetos de pesquisa e inovação no Brasil, e que 82 deles foram realizados no Rio de Janeiro. “Metade dos projetos realizados pela Shell tem como executor primário uma instituição localizada no Estado do Rio, são 42 desenvolvidos com universidades e outros 40 com instituições de pesquisas ou nossos fornecedores. A UFRJ é uma grande parceira nossa. De 2016 a 2020, tivemos 29 iniciativas com eles, que somam R$ 360 milhões em investimento. São 16 laboratórios e 360 profissionais envolvidos”, ressaltou Lucena.

Leia também:

Mercado financeiro já espera inflação de 8%

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Comerciários do Rio têm aumento

Já em São Paulo, emprego no comércio registra a maior alta mensal desde novembro de 2020.

Últimas Notícias

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.