Estrangulamento

A informação, divulgada pelo Banco Central, de que o déficit em transações correntes do país, em relação ao PIB, recuou ano passado para 4,2% do PIB, contra  4,73%, em 1999, deve ser examinada com lupa especial. Em primeiro lugar, porque o déficit em termos absolutos, de US$ 24,6 bilhões, equivale a pouco mais de 80% dos US$ 30,6 bilhões de investimentos diretos que ingressaram no país, ano passado. Esses números põem em evidência que, além de o governo insistir em recorrer a esse frágil e perigoso caminho para financiar as contas externas do país, a torneira está cada vez mais próxima de secar.
Além das obrigações geradas por esse ingresso, via remessa de lucros, royalties etc, a dilapidação de quase dois terços do patrimônio público em privatizações na bacia das almas deixa cada vez menos ativos a serem ofertados para fazer caixa.
Acrescente-se a esse quadro a dificuldade de a balança comercial deslanchar, devido à estrutura dependente da economia, aprofundada nos anos 90, e tem-se uma situação de estrangulamento crescente do balanço de pagamento. Diante desse cenário, no entanto, o governo adota a postura do avestruz, recusando-se a debater seriamente uma política industrial para o país que reduza sua dependências das importações e a adoção de uma política comercial menos dogmática e mais sintonizada com os interesses nacionais. Em outras palavras, está na hora de o tucanato ter a cabeça menos Davos e mais Porto Alegre.

Fenda
Certamente, não se deve apenas aos limitados conhecimentos de política internacional do presidente George Bush a ausência de qualquer representante do alto escalão do governo norte-americano em Davos. Apesar da sua proposta de redução de impostos beneficiar, principalmente, as famílias com renda anual superior a US$ 48 mil, Bush tem mostrado contradições, ainda bastante tímidas, ressalve-se, com a ilusão virtual que sustentou o
crescimento dos EUA durante as duas administrações de Bill Clinton.

Com censura
A TV Educativa da Bahia se recusou, esta semana, a exibir a entrevista com o jornalista João Carlos Teixeira Gomes, que lançou há duas semanas o livro Memórias das trevas – uma devassa na vida de Antônio Carlos Magalhães. No lugar da entrevista, produzida pela TV Cultura de São Paulo, a emissora veiculou reportagem gravada sobre problemas fundiários na região Norte.

Portfólio
Ao admitir apoiar a proposta de Bush de reduzir impostos, o presidente do Federal Reserve (Fed), Alan Greenspan, revela, apesar da ressalva de que a política monetária é mais eficiente que a fiscal para sair de recessões, de que já não tão seguro de que a redução dos juros seja suficiente para reativar a economia norte-americana.

Artigo anteriorCampo do adversário
Próximo artigoPeso
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.