Estrangulamento

A informação, divulgada pelo Banco Central, de que o déficit em transações correntes do país, em relação ao PIB, recuou ano passado para 4,2% do PIB, contra  4,73%, em 1999, deve ser examinada com lupa especial. Em primeiro lugar, porque o déficit em termos absolutos, de US$ 24,6 bilhões, equivale a pouco mais de 80% dos US$ 30,6 bilhões de investimentos diretos que ingressaram no país, ano passado. Esses números põem em evidência que, além de o governo insistir em recorrer a esse frágil e perigoso caminho para financiar as contas externas do país, a torneira está cada vez mais próxima de secar.
Além das obrigações geradas por esse ingresso, via remessa de lucros, royalties etc, a dilapidação de quase dois terços do patrimônio público em privatizações na bacia das almas deixa cada vez menos ativos a serem ofertados para fazer caixa.
Acrescente-se a esse quadro a dificuldade de a balança comercial deslanchar, devido à estrutura dependente da economia, aprofundada nos anos 90, e tem-se uma situação de estrangulamento crescente do balanço de pagamento. Diante desse cenário, no entanto, o governo adota a postura do avestruz, recusando-se a debater seriamente uma política industrial para o país que reduza sua dependências das importações e a adoção de uma política comercial menos dogmática e mais sintonizada com os interesses nacionais. Em outras palavras, está na hora de o tucanato ter a cabeça menos Davos e mais Porto Alegre.

Fenda
Certamente, não se deve apenas aos limitados conhecimentos de política internacional do presidente George Bush a ausência de qualquer representante do alto escalão do governo norte-americano em Davos. Apesar da sua proposta de redução de impostos beneficiar, principalmente, as famílias com renda anual superior a US$ 48 mil, Bush tem mostrado contradições, ainda bastante tímidas, ressalve-se, com a ilusão virtual que sustentou o
crescimento dos EUA durante as duas administrações de Bill Clinton.

Com censura
A TV Educativa da Bahia se recusou, esta semana, a exibir a entrevista com o jornalista João Carlos Teixeira Gomes, que lançou há duas semanas o livro Memórias das trevas – uma devassa na vida de Antônio Carlos Magalhães. No lugar da entrevista, produzida pela TV Cultura de São Paulo, a emissora veiculou reportagem gravada sobre problemas fundiários na região Norte.

Portfólio
Ao admitir apoiar a proposta de Bush de reduzir impostos, o presidente do Federal Reserve (Fed), Alan Greenspan, revela, apesar da ressalva de que a política monetária é mais eficiente que a fiscal para sair de recessões, de que já não tão seguro de que a redução dos juros seja suficiente para reativar a economia norte-americana.

Artigo anteriorCampo do adversário
Próximo artigoPeso
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Ford Escort de Lady Di em leilão

Carro usado pela princesa deve ser vendido por R$ 210 mil a R$ 280 mil.

Produção industrial cresceu em maio, após queda em abril

Intenção de investimento aumentou em junho em relação a maio e segue acima da média histórica.

Marrocos espera crescimento de 5,3% em 2021

BC do país estima avanço da economia neste ano; receita com turismo vêm caindo; inflação acelerou, mas está controlada.

Pacientes com Covid têm dificuldades a benefício por incapacidade

Nesta terça, Bolsonaro vetou PL aprovado pelo Congresso que dispensa carência do INSS para novas doenças.

Sauditas vêm visitar regiões cafeeiras do Brasil

Brasileiros convidaram os compradores árabes para visitar as lavouras locais no próximo ano.