Estranhas coincidências na terra onde a elite não dá bola para o povo

Uma frase marcante do decano Carlos Lessa, que acaba de nos deixar abatido pela pandemia que nos assola, dá bem o sentimento geral na terra da jabuticaba e do juro pornográfico: “A elite atual é igual à elite do passado e não dá bola para o povo, não busca mais o desenvolvimento das forças produtivas, mas apenas seu próprio enriquecimento pessoal.”

Pois bem, estima-se que 18% dos cariocas tiveram que buscar o auxílio emergencial do Governo Federal para evitar passar fome. Isso dá bem o tamanho do abacaxi que nossas elites endinheiradas nos meteram. Assim também, cerca de 14 mil trabalhadores comprovadamente sem renda receberam o benefício do auxílio emergencial, na primeira leva da liberação de recursos na terra do açúcar, portanto, estavam fora do CadUnico e eram os novos informais que a crise sanitária fez surgir.

Autônomo não exige melhores salários, não faz greve nem exige melhores condições de trabalho, ao autônomo ninguém tem que dar garantia alguma. A glamorização midiática da informalidade não é a troco de nada: essa tragédia neoliberal que querem nos empurrar como “empreendedorismo” na realidade é INFORMALIDADE!!

Em países periféricos, o liberalismo econômico, tão aclamado por alguns políticos e economistas banqueiros, transforma o Brasil em um país importador de manufaturados, destrói as nossas indústrias e empregos, fazendo com que milhões de pessoas tenham que se atirar na informalidade para sobreviver.

Segundo estudo do Ibre/FGV, 38% dos empresários reduziram jornada de trabalho. Menos de 10% das empresas de serviços operam normalmente, e a indústria projeta voltar à normalidade apenas em 2021. Isso mostra que, muito provavelmente, o nível de pedidos de recuperação judicial e falências tende a explodir no segundo semestre de 2020.

É aprender com tudo o que foi feito e também com tudo que deixou de ser feito, como rasgar o caminho da esperança que lateja, que lateja, na frágua da paciência operária”, nos ensina o poeta Thiago de Mello. Vida que segue.

Ranulfo Vidigal

Economista.

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.