Estudos desmentem fake news sobre 5G ser prejudicial à saúde

UE faz alerta para a necessidade de combater as notícias falsas.

Informática / 21:16 - 8 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Há estudos científicos sólidos e independentes que confirmam que a radiação usada pelo 5G é inofensiva, pelo menos abaixo do limite ao qual os seres humanos são expostos. A afirmação é do relatório publicado, pela Comissão Internacional para Proteção contra Radiação Não-Ionizante (Ciprni), que compila dezenas de estudos, institucionais e independentes, sobre os efeitos das radiofrequências na saúde. “Não há evidências de efeitos desfavoráveis à saúde com exposições abaixo das restrições indicadas nas diretrizes da Ciprni, nem evidências de mecanismos de interação que prevêem a ocorrência de efeitos desfavoráveis à saúde. devido a campos eletromagnéticos de radiofrequência abaixo desses níveis de restrição”, diz o estudo.

A afirmação desmente as notícias (fake news) que circulam nas redes que informam que o 5G causa várias doenças, incluindo Covid-19. As fake news até condicionaram que em várias partes do mundo seja feito um ataque às instalações para sua operação.

Em junho de 2020, a revista especializada em saúde e radiação Health Physics publicou um novo artigo de revisão sobre exposição a frequências 5G, confirmando que as frequências da banda 5G não penetra além da pele; que a exposição geral à RF da população não é alterada pela referida tecnologia; e que os níveis de exposição estão abaixo dos indicados nas diretrizes internacionais.

Além disso, de acordo com a mídia digital malditas.es, há uma longa lista de artigos de revisão sobre os efeitos das frequências de rádio, considerando aqueles que atingem centenas de gigahertz, que também inclui a faixa de 5G, e todos excluem efeitos nocivos para a saúde nos níveis atuais de exposição.

Até a União Européia considera que a implementação de redes de telecomunicações como 5G ou 6G leva em consideração diretrizes internacionais sobre os efeitos dos campos eletromagnéticos em saúde. E alerta para a importância de combater a disseminação de informações falsas vinculadas às redes 5G.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor