Eu sozinho

Se a unanimidade é burra, como poderia ser classificado o único setor – entre 40 segmentos empresariais reunidos quarta-feira à noite com membros do Governo Federal no Grupo de Avanço da Competitividade (GAC) – a ser contra a cobrança de IOF sobre o capital especulativo estrangeiro? Respostas para a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Quem sabe em inglês
O economista José Luís Oreiro, da UnB, comenta que ao contrário “da nossa pseudo-ortodoxia tupiniquim, que tem complexo de vira-lata, o Financial Times elogiou a decisão do governo brasileiro de introduzir um imposto sobre a entrada de capital estrangeiro no Brasil para aplicações em renda fixa e nas bolsas”. Na matéria, a decisão é classificada como sensata face ao quadro de valorização do real, elevados fluxos de capitais para os países emergentes e de instabilidade nos mercados financeiros mundiais. Para Oreiro, no entanto, “está claro que apenas a introdução do IOF não irá resolver o quadro de câmbio sobrevalorizado que temos no Brasil.”

Dinossauros
A concessão do Prêmio Nobel de Economia 2009 a Oliver Williamson e Elinor Ostrom é fruto da orientação excessivamente ortodoxa do Comitê de Economia que analisa os candidatos, afirmou, em entrevista à rádio France International, o economista Maurício Dias David. “Conheço bem porque estudei na Stockholm School of Economics, de onde saem boa parte dos integrantes do comitê”, lembrou David, que integra o Conselho Editorial do MM.
Ele acrescentou que há insatisfação de muitos economistas com o fato de que o pensamento mais inovador em economia tem sido deixado de lado pelos suecos. “Se é satisfatório que uma mulher pela primeira vez tenha sido premiada, isto não apaga o fato de que nunca se tenha premiado Joan Robinson, a grande economista inglesa”, lamentou.

Novo paradigma
“Nós, dos países latino-americanos, não perdoamos o fato de que Raul Prebisch e Celso Furtado jamais tenham sido considerados seriamente para o prêmio. E o inusitado é que, em plena crise dos paradigmas econômicos, economistas inovadores como Robert Schiller, Baumol ou Roubini, nos Estados Unidos, ou os franceses Pierre Salama, Robert Boyer, Aglietta, Chesnais ou Sachs – que anteciparam a atual crise – tenham sido preteridos pela escolha de economistas cuja contribuição ao entendimento dos grandes problemas econômicos é, na verdade, mais duvidosa e menos questionadora”, comentou Maurício Dias David.

Genérico
O prêmio de Economia é biônico: foi criado em 1968 pelo Banco Central da Suécia para uma duvidosa homenagem a Alfred Nobel. A fundação criada pelo cientista e empresário reconhece parcialmente a criação do BC sueco: no site oficial de Nobel, aparece apenas o “Prêmio de Economia”, em contraste com o “Prêmio Nobel de Física”, de “Nobel de Química” etc.

Formal
Pequenos empresários do Norte Fluminense poderão aprender a legalizar seus negócios neste sábado, quando será realizado, em Itaperuna, a palestra “Empreendedor individual: nunca foi tão fácil legalizar o seu negócio”, que será ministrada pela vice-presidente do Sescon-RJ, Márcia Tavares. O evento é uma realização do Instituto Avon em parceria com o Sebrae/RJ. Como proceder, quais os documentos necessários e as vantagens da iniciativa serão alguns dos temas abordados no encontro. Mais informações em www.sebraerj.com.br

O poder do zero
Depois de pouco mais de seis meses de espera pela feitura do diploma de Doutorado, um ex-aluno foi à Universidade Federal Fluminense (UFF) pegar o documento. Detalhista, reparou que faltava o 0 do dígito do número da sua identidade. Causada pelo preenchimento incompleto do requerimento, a falha passara despercebida ao funcionário responsável, apesar da xerox da carteira de identidade anexado à papelada. O pequeno erro, porém, poderia ser sanado em poucos segundos, o tempo para bater ao computador o 0 faltante. Apesar de as novas tecnologias seriam um must dos programas de pós da UFF, a funcionária do atendimento informou, constrangida, que a chefe do setor negara o apelo do ex-estudante para “ganhar um O” e lhe dissera que o diploma, corretamente impresso, só estaria pronto em… uma semana.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBonificação
Próximo artigoIndignação seletiva

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.