EUA: bens duráveis avançaram abaixo do esperado

Comentários – As encomendas de bens duráveis nos EUA avançaram abaixo do esperado no índice cheio e ficaram marginalmente abaixo do esperado na leitura subjacente que entra no PIB. Por outro lado, encomendas excluindo-se transportes surpreenderam positivamente e teve revisão altista na leitura anterior.

 

Durable Goods dezembro (%MoM): 0,2% (esperado: 1,0%; anterior: 1,0% rev. p/ 1,2%)

Durable Ex-Transp dezembro (%MoM): 0,7% (esperado: 0,5%; anterior: 0,4% rev. p/ 0,8%)

CG Orders Non-def. Ex-Air dez. (%MoM): 0,6% (esp.: 0,5%; anterior: 0,5% rev. p/ 1,0%)

CG Ship Non-def. Ex-Air dez. (%MoM): 0,5% (esp.: 0,6%; anterior: 0,5%)

O número subjacente de envios avança novamente 0,5%, registrando o oitavo mês consecutivo de expansão. A variação em três meses anualizada, no entanto, desacelerou novamente para 17,5% (anterior: 20,3%).

Por dentro das encomendas, vemos novo forte avanço pelo lado de maquinário (+2,4%), metais e equipamento elétrico. Já pelo lado dos envios, destaque para maquinário também e metais primários.

Para o quatro trimestre, a expansão da leitura subjacente foi de 3,6%. Para o começo deste ano, vemos fatores diversos impactando a atividade nos EUA. Por um lado, temos a reaceleração da pandemia em alguns estados (ainda que atividade industrial deva ser menos impactada). Por outro lado, a perspectiva de vacinação e estímulo fiscal devem se fazer sentir na economia americana de forma mais notada a partir do final do trimestre.

.

Felipe Sichel

Estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais

Leia mais:

NY à espera de balanços da Apple, Boeing e Facebook

Mercado interno cai em meio a preocupações com avanço da pandemia

Artigos Relacionados

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.