EUA: ISM Manufacturing veio abaixo do esperado

Segundo analista, destruição de demanda ocasionada pelo distanciamento social não será reposta imediatamente. 

Opinião do Analista / 14:44 - 1 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

ISM Manufacturing veio marginalmente abaixo do esperado em 43,1 (esperado: 43,8; anterior: 41,5). Esta é a primeira leitura mensal que tem elevação do índice relativo ao mês anterior desde janeiro deste ano.

Por dentro do índice, observamos os maiores aumentos relativo ao mês passado em new orders (+4,7 para 31,8), prices (+5,5 para 40,8), employment (+4,6 para 32,1) e business production (+5,7 para 33,2).

Por outro lado, houve queda significativa em supplier deliveries (-8 para 68). Vale destacar que esta queda é bem-vinda, visto que representa uma redução das rupturas observadas ao longo dos últimos três meses nas cadeias produtivas.

Pelo statement, observamos que a pandemia segue afetando todos os setores manufatureiros da economia americana. Como colocado, apesar da nova desaceleração, o mês de maio pode ter sido um mês de transição, com muitos dos pesquisados retornando para o trabalho somente no final do mês.

Em suma, o setor manufatureiro permaneceu em desaceleração ao longo do mês de maio, mas seguimos observando evidências de estabilização, com algum pequeno otimismo surgindo nas respostas encaminhadas pelos pesquisados.

A projeção central permanece de forte desaceleração do PIB americano no segundo trimestre (veja nosso comentário semana passada sobre encomendas de bens duráveis). A retomada sequencial do PIB deve ocorrer somente no terceiro trimestre, apesar da expectativa de que alguns indicadores de atividade (tanto soft como hard data) já mostrem retomada em junho.

Ressalte-se, no entanto, que os riscos para a economia americana (e global) perdurarão para além da passagem da pandemia, na medida em que a destruição de demanda ocasionada pelo distanciamento social não será reposta imediatamente. 

.

Felipe Sichel

Estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor