EUA: PCE de junho traz poucas novidades

Com grau de desemprego e ausência de evidências de choque de oferta, mantemos perspectiva de implementação de forward guidance.

Opinião do Analista / 10:51 - 31 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

My take - O índice de inflação medido pelo PCE veio teve variação em linha com as expectativas do mercado tanto no headline como na leitura subjacente. O índice traz poucas novidades dada a leitura do PIB Q2 Adv. de ontem.

Com o elevado grau de desemprego e a ausência de evidências de choque de oferta (i.e. o choque da Covid permanece como amplamente desinflacionário), mantemos nossa perspectiva de implementação de forward guidance por parte do Fed.

 

Comentários - O índice de inflação medido pelo PCE veio teve variação em linha com as expectativas do mercado tanto no headline como na leitura subjacente. O índice traz poucas novidades dada a leitura do PIB Q2 Adv. de ontem.

PCE Deflator (%MoM): 0,4% (esperado: 0,4%; anterior: 0,1%)

PCE Deflator (%YoY): 0,8% (esperado: 0,9%; anterior: 0,5%)

PCE Core Deflator (%MoM): 0,2% (esperado: 0,2%; anterior: 0,2%)

PCE Core Deflator (%YoY): 0,9% (esperado: 1,0%; anterior: 0,5%)

Por dentro, nota-se avanço de 0,7% MoM na parte de bens, puxado principalmente pelo avanço por bens não-duráveis (+1,1% MoM). Esta leitura interrompe uma sequência de quatro meses consecutivos de variações negativas.

Comparado ao mesmo mês do ano anterior, bens não-duráveis permanecem em território negativo pelo quarto mês consecutivo, variando -0,8%.

Serviços seguem bem-comportados, registrando avanço de 0,2% no mês, idêntico a variação do mês anterior.

Personal Income variou -1,1% no mês, após registro de -4,4% no mês anterior. A queda é mais do que explicada pela redução das transferências do governo para indivíduos por conta dos pacotes de auxílio em função da pandemia.

O cenário de inflação permanece absolutamente tranquilo, com o índice YoY Core próximo às mínimas registradas durante a crise de 2008 e o começo da década passada.

Soma-se o elevado grau de desemprego e a ausência de evidências de choque de oferta (i.e. o choque da Covid permanece como amplamente desinflacionário) e mantemos nossa perspectiva de implementação de forward guidance por parte do Fed.

.

Felipe Sichel

Estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor