31.6 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

EUA: recuperação econômica depende de vacinação generalizada

A recuperação econômica dos EUA depende altamente da vacinação generalizada, pois as infecções pela Covid-19 seguem aumentando drasticamente em todo o país há meses, afirmou na terça-feira o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren.

“No geral, os recentes indicadores sugerem problemas de curto prazo derivados do alto nível de infecções e as persistentes preocupações com a saúde pública. Claramente, a recuperação a curto prazo é extremamente dependente de um processo de vacinação rápido e generalizado”, disse.

“Infelizmente, até o momento, a taxa de vacinação tem sido decepcionante, o que provavelmente terá um impacto na saúde pública e na economia a curto prazo”, disse Rosengren em evento virtual organizado pela Câmara do Comércio da Grande Boston.

Eric Rosengren assinalou que o caminho para estabilizar a economia depende em primeiro lugar de ter o vírus sob controle, e sem uma política de saúde pública eficaz, a doença continuará sendo a principal fonte de desafios financeiros.

Enquanto a economia dos EUA, na melhor das hipóteses, “continuar crescendo moderadamente até que haja uma vacinação generalizada”, na segunda metade do ano provavelmente haverá uma maior recuperação econômica com o apoio fiscal e monetário substancial, previu.

“Também espero que as taxas de juros de curto prazo próximas a zero sejam eficientes ao longo deste ano, e que o Federal Reserve continue comprando ativos a longo prazo até que a economia tenha uma base econômica mais forte”, disse.

No mês passado, o Fed decidiu manter sua taxa de juros de referência inalterada em seu nível mais baixo, de quase zero, enquanto espera que as taxas permaneçam assim pelo menos até 2023.

O Banco Central também se comprometeu a continuar seu programa de compra de ativos pelo menos ao ritmo atual de US$ 120 bilhões por mês até que haja “um maior progresso substancial” em termos de emprego e inflação.

A partir do dia 26, a entrada nos EUA só será permitida a passageiros que apresentem um teste de Covid-19 negativo, anunciaram as autoridades. De acordo com o Centro para o Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), o teste só será aceito se tiver sido realizado nos três dias anteriores à partida do voo para os EUA.

As companhias aéreas serão obrigadas a impedir o embarque de passageiros que não possuam teste negativo ou, em alternativa, prova de que tenham se recuperado de uma infeção do novo coronavírus.

Em comunicado divulgado pelo CDC, o diretor do Centro, Robert R. Redfield, admite que os testes “não eliminam todos os riscos” de propagação do vírus, mas “quando combinados com um período de isolamento e precauções cotidianas, como o uso de máscaras e distanciamento social, podem tornar as viagens mais seguras, saudáveis e responsáveis, contendo a propagação nos aviões, aeroportos e locais de destino”.

A determinação do CDC vem na sequência de medidas anteriores para passageiros provenientes do Reino Unido, depois de ter sido detectada no país uma nova estirpe de Covid-19, mais infecciosa do que a conhecida.

Até hoje, os EUA registravam mais de 22 milhões de casos de Covid-19 e um total de mais de 375 mil mortes.

A pandemia provocou, pelo menos, 1.945.437 mortes resultantes de mais de 90,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo balanço da AFP.

 

Com informações da Xinhua e da Agência Brasil, citando a RTP

Leia mais:

Pedido de impeachment de Trump pode atrasar ações do Governo Biden

Árabes importaram menos carne bovina no Brasil em 2020

Artigos Relacionados

Cepal: exportações da AL e do Caribe caíram 13% em 2020

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez o comércio exterior na América Latina e no Caribe registrar o pior desempenho...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

Biden expande combate à fome que afeta 1 em 7 lares dos EUA

Presidente aumenta salário mínimo dos funcionários federais para US$ 15.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.