EUA registram 6,6 milhões de pedidos de auxílio-emprego em uma semana

Mais de 10 milhões de americanos solicitaram benefícios de desemprego em março, quando economia entrou em colapso.

Internacional / 12:54 - 2 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os EUA registraram um recordo de pedidos de auxílio-desemprego: mais de 6,6 milhões de americanos solicitaram os subsídios.  As informações são do "The Washington Post".

Segundo o jornal, "nas últimas duas semanas, mais pessoas entraram com pedidos de indenização por desempregados do que nos primeiros seis meses da Grande Recessão, um sinal de quão rápido, profundo e doloroso foi o desligamento econômico de muitas famílias americanas que estão lutando para pagar aluguel e seguro de saúde custos em meio a uma pandemia. As perdas de empregos dispararam quando restaurantes, hotéis, academias e viagens foram fechadas em todo o país, mas as demissões também estão aumentando na fabricação, armazenamento e transporte, um sinal de quão generalizada é a dor da recessão do coronavírus."

O jornal também lembra que "em março, 10,4 milhões de americanos perderam o emprego e solicitaram ajuda do governo, de acordo com os dados mais recentes do Departamento do Trabalho, que incluem reivindicações feitas até 28 de março. Muitos economistas dizem que o número real de pessoas que estão fora do trabalho provavelmente é ainda maior, uma vez que muitas os americanos recém-desempregados ainda não foram capazes de preencher uma reivindicação. O governo dos EUA ainda não divulgou uma taxa oficial de desemprego, mas os economistas dizem que provavelmente já saltou para 10%, um aumento maciço e repentino a partir de fevereiro, quando a taxa de desemprego no país estava no ponto mais baixo do século, de 3,5%. Existe uma preocupação crescente de que os trabalhadores que estão perdendo seus empregos devido ao coronavírus não possam retornar à mesma posição mesmo após o término da crise da saúde. Quanto mais os trabalhadores estão afastados do emprego, mais perdem esse vínculo com seus antigos chefes e empresas."

Ontem, os EUA registraram novo recorde diário de mortes. Pelo menos 884 pessoas morreram e houve registro de mais 25.200 pessoas infectadas. O país é, de longe, o local com maior número de infecções do mundo, com um total de 216 mil pessoas afetadas. Nas últimas 24 horas, os EUA registaram um recorde diário de 884 mortes e 25.200 pessoas infectadas. De acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, há 216.722 casos confirmados no país desde o início da epidemia e 5.137 mortes.

Uma das mais recentes vítimas do novo coronavírus nos EUA foi um bebê de seis semanas, no Connecticut.

Ontem, a representante da Casa Branca para a coordenação da resposta ao surto de Covid-19, Deborah Birx, admitiu que as estimativas para os EUA estão entre 1,5 e 2,2 milhões de mortes no país, no pior dos cenários.

Também nessa quarta-feira, o vice-presidente, Mike Pence, admitiu que a dimensão e escala da epidemia no país poderá ser "mais comparável" às proporções da Itália, que foi, até o momento, o país mais afetado do mundo pelo novo coronavírus, onde já morreram mais de 13 mil pessoas devido à Covid-19.

 

Com informações do Washington Post e da Agência Brasil, citando a RTP

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor