Evo acusa EUA de levarem justiça eleitoral a rejeitar sua candidatura

Segundo ex-presidente 'vamos seguir lutando por nossa soberania e dignidade'.

Internacional / 19:25 - 21 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales acusou nesta sexta-feira o governo dos Estados Unidos de influenciar o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) boliviano na rejeição de sua candidatura ao Senado. “Cumprimos todos os requisitos. Por instrução da embaixada dos Estados Unidos não aprovaram [minha candidatura]. Vamos seguir lutando por nossa soberania e dignidade”, disse o ex-mandatário.

As declarações de Evo vêm logo após o TSE da Bolívia rejeitar sua candidatura como senador pelo departamento de Cochabamba nas próximas eleições do dia 3 de maio. O ex-presidente e líder do Movimento ao Socialismo (MAS) ainda criticou o governo interino da presidente autoproclamada Jeanine Áñez, que assumiu o poder após o golpe de Estado do dia 10 de novembro de 2019 que forçou a renúncia de Evo Morales.

Em nossa gestão, demonstramos que outro mundo, sem o império norte-americano e sem o FMI, é possível. Esse é o nosso pecado, nosso delito, termos nos libertado da pressão política, dos condicionamentos econômicos e libertamos muitos irmãos e irmãs da pobreza”, disse o ex-mandatário.

Mais cedo, logo após a decisão do TSE ser comunicada na noite desta quinta-feira, Evo afirmara que a medida era “um golpe contra a democracia”. Os membros do TSE sabem que cumpro todos os requisitos para ser candidato [a senador por Cochabamba[. O objetivo final é a proscrição do MAS (Movimento ao Socialismo), partido de Morales]”, afirmou pelo Twitter.

Pelo mesmo motivo, a candidatura do ex-chanceler Diego Pary como senador por Potosí também foi inabilitada. “O Tribunal Supremo Eleitoral, ao inabilitar-me, assume uma decisão política, que se alheia das leis, da Constituição boliviana e da jurisprudência internacional”, afirmou. Pary disse que cumpriu “absolutamente com todos os requisitos, como estabelece a regulamentação aprovada pelo mesmo TSE”.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor