Evolução regulatória dos seguros é reconhecida e considerada estratég

Este parece ser o consenso entre lideranças e executivos ouvidos em entrevista publicada na Revista de Seguros (nº 914).

A retomada de uma agenda de desregulamentação a cargo da Susep, historicamente reivindicada pelo setor segurador, contribuirá para potencializar negócios nos diversos ramos e modalidades de seguros. Este parece ser o consenso entre lideranças e executivos ouvidos em entrevista publicada na nova edição da Revista de Seguros (nº 914) sobre a evolução recente do marco regulatório.

O setor aposta as fichas nas futuras regras de flexibilização dos seguros de grandes riscos e dos produtos massificados, algo que, somado aos novos critérios de proporcionalidade de capitais e de melhor alocação de ativos, abre um novo caminho para inovações.

Mas, no caso do Sistema de Registro de Operações (SRO), embora o propósito declarado seja melhorar a eficiência e transparência do mercado, sua implementação ainda gera um nível elevado de insegurança. “Há um ´pecado original` na norma do sistema de registro de operações: a criação de um ente privado, que é a registradora, como braço auxiliar da Susep; algo que precisa ser muito bem regulamentado para que se evite, inclusive, um novo negócio lucrativo com base em informações pessoais. Isso, sem falar que não há o amparo, por lei, que estabeleça a obrigatoriedade do registro eletrônico de operações por um terceiro ente. No sistema financeiro, por exemplo, essa previsão é clara”, assinala Marcio Coriolano, presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg).

A CNseg oficializou a Susep sobre o que entende serem os gargalos existentes até agora e suas soluções. No documento alertou para definições sobre a política de segurança e preservação do sigilo das informações; sobre trocas de informações entre as registradoras; a respeito da definição de critérios, pela Susep, de identificação de operações atípicas a cargo das registradoras e sobre mecanismos que incentivem a concorrência entre as registradoras. Mais recentemente, a Susep colocou em consulta pública um normativo pelo qual pretende endereçar a solução das questões oferecidas pela Confederação.

A flexibilização é um modelo que desloca paradigmas e um marco para o setor, resume a vice-presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da FenSeg, Magda Truvilhano, para quem as mudanças trarão simplificação aos produtos, flexibilização da regulação, maior liberdade e a segregação entre grandes riscos e massificados. Reestruturação regulatória é um marco para o mercado de seguros. Melhor ainda porque conta com respaldo do Ministério da Economia, assegurando passos rápidos em direção à desregulamentação e à desburocratização.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Demanda por seguros de autos cai 15,6% em relação a março

Na comparação entre abril de 2022 e mesmo mês de 2021, houve alta de 21,9%.

Planos de saúde individuais e familiares têm aumento de 15,5%

É o maior reajuste anual já aprovado pela ANS.

Planos coletivos atingem 33,8 milhões de vínculos

Cechin: novas adesões estão diretamente ligadas à oferta de empregos gerada no país.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.