Ex-ministro do TSE critica fidelidade partidária

O jurista, professor e ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga Neto, defendeu ontem que a cláusula de desempenho dos partidos no sistema político nacional deve revolucionar o universo de siglas nacionais até 2030 e trazer de volta a tão necessária democracia intrapartidária, uma questão que ainda passa longe da realidade de boa parte das agremiações brasileiras. Ele foi um dos debatedores da videoconferência Fidelidade Partidária, que fechou ontem a programação semanal do 1º Congresso Brasileiro de Direito Eleitoral (Conbrade).

"A exigência da fidelidade eleitoral, mais que a partidária, guarda conformidade com os preceitos constitucionais. Mas não temos democracia intrapartidária, já que as agremiações têm donos nacionais e locais. Para migrar de sigla, um político 'ganha' um diretório 'porteira fechada', a diretoria destitui o anterior, que foi eleito e nomeia comissão provisória para beneficiar o novo integrante. Em outros partidos, a regra é oferecer dinheiro do Fundo Eleitoral, o que provoca a migração de parlamentares durante o período da janela partidária que acontece em todos os anos de eleição. Isso é fraude", denuncia.

Gonzaga enfatizou, ainda, que a ditadura intrapartidária se evidencia, também, por meio da falta de transparência nas decisões e da prestação de contas, pelos dirigentes dos diretórios. Sem falar nos estatutos arcaicos, que exigem disciplina excessiva e uma série de contrapartidas, caso o candidato seja eleito, além de grandes obstáculos para qualquer tentativa de saída ou migração para outro partido, mesmo com a alegação de justa causa.

"A demora no julgamento das ações de desfiliação partidária por justa causa, pela Justiça Eleitoral, cria parlamentares de segunda ou terceira classe, sem assento em comissão ou relatoria em projetos de lei. É preciso tornar esse rito mais abreviado", explica.

Para o jurista, o atual número de agremiações não deve passar de oito, em alguns anos graças à cláusula de desempenho dos partidos, outra novidade da Justiça Eleitoral que retira o acesso a recursos do Fundo Partidário e tempo gratuito de rádio e TV de siglas que não atingem o coeficiente mínimo de candidatos eleitos.

No entanto, o fim de siglas e a aglutinação de outros grupos, por fusões ou incorporações, deve fortalecer a democracia intrapartidária e, com ela, as disputas políticas dos grupos internos. "Hoje, o que acontece nas convenções é figuração, uma encenação do que já foi combinado anteriormente. Da mesma forma, as convenções para reforma dos estatutos, quando as pessoas batem palma e acham que assinam o livro de presenças, quando dão uma outorga silenciosa para as mudanças", enfatiza.

Artigos Relacionados

Twitter: Bolsonaro teve só 4% de menções positivas e 66% de negativas

Segundo pesquisa da Modalmais/AP Exata, para 37,2%, governo é ruim/péssimo.

Vetos na Lei de Recuperação Judicial e Falências

O alerta leva em consideração o fato de que entra em vigor neste domingo (24) a nova Lei de Recuperação Judicial e Falências (14.112/2020), que trata da recuperação judicial de empresas em dificuldades, além do parcelamento e do desconto para pagamento de dívidas tributárias e possibilita aos credores apresentar plano de recuperação dos devedores.

Demissão de Ernesto Araújo é pedida

Em live nesta quinta-feira elogiou a política externa brasileira, sob o comando do ministro Ernesto Araújo que, na realidade, está colocando o país mais isolado mundialmente, com seguidos ataques à China e o afastamento do país dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Omissão em documento laboral deve ser resolvida na Justiça do Trabalho

Decisão afasta ações contra o INSS por possíveis erros cometidos pelas empresas.

Biden retoma restrições a viajantes que chegam do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.