Exatamente o oposto

Já se pode cravar, com três anos de antecedência, os favoritos para ganhar o prêmio de Economia do Banco Central sueco (que pega carona no Nobel): os economistas brasileiros que prometem que o corte de gastos do governo em plena recessão fará o país voltar a crescer. Afinal, trata-se de uma nova teoria, que se opõe ao keynesianismo. Se não merecer o Nobel – a realidade, sempre ela, pode decepcionar os defensores da tese – com certeza vai ganhar sua contraparte menos conhecida, mas muito divertida, o IgNobel (detalhes sobre esta “premiação” podem ser vistos nesta edição, na coluna Empresa-Cidadã).

Aliás, em entrevista ao jornal francês Le Parisien, em que defende que a Alemanha devia sair da Zona Euro – já que o país é “a fonte dos problemas” da região da moeda única – o economista Joseph Stiglitz (ele, um ganhador do prêmio sueco de Economia) diz que os alemães só sabem dizer que a austeridade promove o crescimento, “o que é exatamente o oposto”.

À vontade

Triste não é ver empresas de comunicação semifalidas de pires na mão diante do Governo Temer. Afinal, estão acostumadas, pois foi como construíram seus castelos de cartas. Pena mesmo é ver jornalistas que sempre perseguiram uma imagem de independência ter de assumir o discurso chapa branca. Pior é que alguns parecem bem confortáveis no papel.

Revelações

Se for confirmada a informação da colunista Mônica Bergamo, não será difícil MP e juiz Sérgio Moro aceitarem a delação de Antonio Palocci – afinal, atingiria o coração do PT. Mas seria muito mais interessante se o ex-ministro falasse um pouco sobre a ajuda do BNDES a um certo grupo de comunicação…

Matemágica

A prova de isenção da Lava Jato seria a decisão do Supremo de dividir em quatro o inquérito principal: três para PMDB (Câmara e Senado) e PP e apenas um sobre o PT.

E alguém duvida qual deles vai andar e quais vão ficar engavetados aguardando a prescrição?

Impunidade

Falando no assunto, a Justiça Federal do Rio decidiu pela prescrição dos processos criminais contra banqueiros e diretores do Banco Central no caso Marka-FonteCindan (escândalo de socorro aos dois bancos privados na crise cambial de 1999, no Governo FHC).

Livraram-se da condenação Francisco Lopes (presidente do BC à época), Claudio Mauch, Demóstenes Madureira de Pinho Neto e Luiz Bragança (ex-diretores do Banco Central) e Luiz Antonio Andrades Gonçalves, ex-diretor do FonteCindan.

O único punido foi Salvatore Cacciola, ex-proprietário do banco Marka, que pagou três anos em Bangu 8, sendo solto em agosto de 2011 e tendo sua pena extinta por indulto em 2012.

Compliance a jato

A consultoria anglo-brasileira de compliance e investigação de crimes de colarinho branco Wolfe Associates lança este mês um serviço rápido e gratuito de diagnóstico de governança corporativa, com mapeamento de riscos ou refinamento de políticas, gestão de crise e otimização de desempenho de negócios.

Furos na gestão de compliance são inevitáveis dada a atual alta complexidade das empresas”, diz o advogado internacional Barry Wolfe, que já foi apelidado de “Sherlock do setor financeiro” devido aos esquemas criminosos que desvendou tanto com sua empresa quanto quando foi diretor da KPMG Forensic. Mais informações em www.wolfe.com.br

Bollada

O BNDES terá que pagar mais de R$ 68 milhões (R$ 30 milhões de atrasados mais R$ 38 milhões de multa, além de atualizações monetárias) pelas cassações feitas por Collor em 1990. Além disso, juntamente com a FAPES, terá de efetuar a reclassificação funcional dos demitidos imotivadamente (com todas as promoções por mérito e antiguidade tomando por base o que os seus pares obtiveram desde a época da demissão). O descumprimento pelo banco já soma 7.240 dias.

Crise

A Unimed Rio está em um momento decisivo.

Rápidas

A Nobiltà Educação, entidade criada para divulgar o pensamento e obras de Allan Kardec, anuncia o lançamento do Kardec Play, canal online em quatro idiomas (português, inglês, francês e espanhol) com dezenas de vídeos explicativos de Cosme Massi sobre a filosofia de Allan Kardec, um dos criadores do espiritismo *** O Centro de Aprendizagem em Avaliação e Resultados para o Brasil e África Lusófona (Clear) e a Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas realizam dia 17, a partir das 10h, o seminário International Panel on Social Progress: O Futuro do Trabalho: Bons Empregos para Todos?. Embora organizado pela entidade lusófona, o evento será em inglês, sem tradução. Local: FGV (Rua Itapeva, 432 – sala 901, São Paulo – SP) *** O Sebrae-SP apresenta mais uma etapa do ciclo de palestras com informações a empreendedores brasileiros sobre a cultura e oportunidades de negócios em sete países do Oriente Médio: Irã, Omã, Armênia, Egito, Líbano, Iraque e Argélia. No próximo dia 25, é a vez do Líbano. Informações: (11) 98539-3321 ou https://goo.gl/I1Cjyr

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.