24.5 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Exigência pode afetar frete marítimo

CENTRONAVE PEDE REEXAME DE ACÓRDÃO DO TCU

O Centro Nacional de Navegação Transatlântica (Centronave) solicitou reexame do Acórdão 1439/2016 do Tribunal de Contas da União (TCU). A entidade, que representa companhias de navegação de longo curso que operam no Brasil responsáveis por 95% do transporte do comércio exterior brasileiro em contêineres, em volume, entende que o Acórdão ultrapassou os limites de competência do TCU em questões regulatórias próprias da Antaq.

O TCU analisou denúncia sobre possíveis omissões na atuação da Agência Reguladora de Transportes Aquaviários quanto a aumento abusivo de tarifas no Terminal Libra Rio, à fiscalização do caráter de ressarcimento dos valores cobrados a título de THC (Terminal Handling Charge) e à ordenação e fiscalização da navegação de longo curso. O caso foi relatado pela ministra Ana Arraes.

Para o Centronave, cabe exclusivamente à agência reguladora (Lei 10.233/01) o papel de editar normas e regular os serviços de transporte e infraestrutura aquaviária. A Antaq “de forma alguma tem sido omissa”, sustenta a entidade.

Os ministros do TCU consideraram procedentes as denúncias e determinaram providências à Antaq. No caso da navegação, exige a apresentação, em 90 dias, de plano de ação voltado à regulação, ordenação e supervisão da navegação de longo curso nos portos brasileiros, “de forma a permitir o controle dessa atividade, contemplando, dentre outras questões que considere pertinentes: o registro de armadores estrangeiros; o registro de preços de frete, extrafrete e demais serviços; estudos comparativos de rotas e preços praticados pelos armadores estrangeiros; e normas para aplicação de sanção aos armadores estrangeiros em caso de omissões injustificadas de portos”.

Fretes caíram 51%

O Centronave questiona o fato de o acórdão contrariar relatório das instâncias técnicas do próprio Tribunal e de confrontar as regras do livre mercado. Questiona ainda o fato de não observar o marco legal do setor quando recomenda a exigência de outorga para empresas estrangeiras, tendo em vista o que diz a Constituição e as leis 9.432/97 e 10.233/01, que regulam o transporte aquaviário no país.

Segundo o relatório técnico do TCU, o setor tem seus fretes regidos pela lei da oferta e da demanda, em regime de alta concorrência e competitividade. Trata-se também de atividade sujeita a forte controle do Estado brasileiro, bem como a legislações e acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário.

O Centronave garante que o frete flutua em função das variáveis de livre mercado. “Pretender controlar e estabelecer o frete marítimo é como pretender regular o preço das commodities, ignorando a oferta e demanda de mercado”, assinala.

Cabe dizer que os fretes marítimos de importação e de exportação despencaram desde 2010, numa trajetória de queda quase ininterrupta. Na exportação para a China, segundo dados de associados, por exemplo, na média do somatório do frete marítimo e taxas, para contêineres dry (carga não refrigerada), os valores praticados no segundo trimestre de 2016 representaram 51% do que era praticado em 2010. Praticamente a metade. Na importação, 34%. Ou seja, um terço”, informa o Centronave.

Artigos Relacionados

Inovação no carregamento compartilhado de baterias

Os investimentos na startup não são revelados, mas foram muitos os esforços para chegar a uma solução que atendesse o mercado brasileiro.

MPT reúne-se com a Ford

Grupo atuará para mitigar os impactos decorrentes do encerramento das atividades nas três fábricas no Brasil.

Carrefour pode ser vendido para grupo canadense

Grupo, dono das lojas de conveniência Circle K, é avaliado em aproximadamente US$ 37 bi e tem mais de 2,7 mil unidades na Europa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.