"Existe uma medicina do trabalho,

Empresa Cidadã / 16:02 - 26 de fev de 2002

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

não existe ainda uma medicina especializada no desemprego." (Michel Debout, Presidente da UNPS-França) As empresas-cidadãs investem em segurança e medicina do trabalho. Quando o trabalhador está desempregado ou se retira da força de trabalho, no entanto, quem responde pela suas condições de saúde? - O presidente do Departamento do Trabalho do Conselho Econômico e Social da França, Christian Larose, em estudo recentemente divulgado, concluiu que o desemprego contribui para o aumento dos casos de violência, consumo de tóxicos e outros distúrbios derivados. - Processos empresariais de demissões, ou que provocam a sensação de iminência delas ocorrerem, como reestruturações, fusões e aquisições, características do tempo em que vivemos, além do assédio, em suas variações moral ou sexual, têm sido cada vez mais associados às causas de suicídio ligado à vida profissional. A faixa etária mais vulnerável a este fenômeno situa-se entre os 24 e 44 anos. - No Brasil, onde a preocupação com a criminalidade ocupa um espaço cada vez maior no noticiário, é importante destacar que o quarto setor é um significativo recrutador de mão-de-obra de idosos também, já que pessoas com 70 anos ou mais, se apenados com até quatro anos, cumprem a pena em liberdade. - No caso da terceira idade, essa realidade contrasta com os gastos com aposentadorias no Brasil, medida como percentual do PIB (cerca de 9%), que excedem os de países de economias equivalentes, como os da OCDE (7,4%, em média), Coréia do Sul (2,4%), EUA (4,4%) ou Canadá (5,1%), o que mostra que gastar muito não é gastar bem. - As políticas públicas de saúde precisam ser progressivamente fundamentadas no maior conhecimento do impacto do desemprego, do assédio, da hiperatividade a que o trabalhador é submetido, bem como da atração exercida por marcas de consumo como símbolo de ascensão social rápida e emancipação familiar, mesmo caso da gravidez precoce, conseqüência não só de desinformação das jovens, como geralmente é tratada, mas também como meio de alteração de condições sociais e familiares insuportáveis. QUALIDADE DE EMPRESA-CIDADÃ Um dos bairros mais atraentes do Rio é Santa Teresa. Nele funciona o programa de empreendedorismo Iniciativa Jovem, destinado aos que se encontram entre 18 e 30 anos. Criado em 1982 na Inglaterra com o nome de Shell Livewire, funciona em outros países como África do Sul, Austrália, Oman, Hungria, Argentina e Chile. Voltado para a criação de negócios que têm como referências a sustentabilidade, a área e a realidade em que vivem os jovens atendidos, o programa tem a previsão de investimento de US$ 350 mil pela Shell, além de dar acesso ao microcrédito e a possibilidade de utilização da sede do programa para incubação das futuras empresas. Os jovens que tiveram os seus projetos selecionados ingressaram na primeira etapa do programa, a Oficina de Idéias, em que desenvolvem o entendimento sobre o sucesso empresarial de intenções. Após, ocorreu a seleção para a etapa seguinte, Fábrica de Negócios, quando são desenvolvidos os planos de negócios, com o suporte de voluntários. Atualmente, os voluntários são todos da própria Shell ou da Escola Superior de Propaganda e Marketing, sendo prevista a abertura para voluntários de outras origens. A próxima etapa, Iniciativa Jovem, corresponderá à atribuição de um selo aos projetos viáveis, que serão expostos na Vitrine de Negócios para apresentação ao mercado. A Caixa Econômica Federal, parceira no projeto, analisará os projetos que chegarem a esta etapa com vistas a concessão de crédito, que poderá ser de até R$ 5 mil. Dos projetos exibidos na Vitrine, serão selecionados dez para candidatura a três prêmios especiais em dinheiro. AGENDA A partir de amanhã, poderão ser realizadas as inscrições para o curso de formação de monitores para museus e centros de ciência, do Centro de Educação em Ciência do Museu Vida / Fiocruz. O curso é destinado a jovens entre 16 e 21 anos que estejam cursando o ensino médio em escolas públicas e sejam moradores de comunidades vizinhas aos museus e centros de ciência do Rio. As inscrições vão até 8 de março e são necessários identidade ou certidão de nascimento, CPF, comprovante de residência e declaração da escola. Mais informações no Museu da Vida (Av. Brasil 4365, Manguinhos) ou pelo tel 2590-5192 (Rio). Paulo Márcio de Mello Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Correio eletrônico: paulomm@alternex.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor