Exocet

O lobby dos estaleiros sul-coreanos no Brasil sofreu um duro golpe com as rachaduras do navio carregado com 385 mil toneladas de ferro, no Maranhão. O fato de o navio ser recém-entregue diz muito sobre as supostas vantagens das indústrias estrangeiras sobre os similares nacionais, pregadas pelos lobistas.

Reescrevendo a história
Um marciano que chegasse ao Brasil, segunda-feira, e lesse apenas a imprensa esportiva do Rio de Janeiro, principalmente, os folhetins popularescos, chegaria à conclusão de que o campeão brasileiro fora o… Flamengo! Noves fora a jocosidade inerente às torcidas, parte essencial da gramática do futebol, acompanhar como o jornalismo esportivo transforma o quarto colocado, a dez pontos do campeão Corinthians, no grande vencedor da última rodada, em contraponto a um Vasco, “mais uma vez vice”, ajuda a entender como a imprensa representa os fatos a partir de uma visão muito singular e de interesses muito bem demarcados.

Emblemático
Por ser uma área em que o paradigma da objetividade que rege a profissão se permite um maior relaxamento do que em outras editorias, o jornalismo esportivo permite entender, não um ponto fora da curva da cobertura da imprensa, mas perceber, de modo explícito, o que ocorre, de forma encoberta em outras seções, como as de economia e política.

Pode baixar
“Pode baixar os juros o tanto que você quiser. O juro não é para a poupança, mas para a especulação e para o rentismo. A poupança é para os pobres. Não é possível manter uma taxa de juros tão disparatada quanto a nossa. Assim é impraticável. Uma maneira de combater o déficit público é baixar os juros. Praticamente todo o déficit do Brasil é com juros. Nós temos superávit primário. O déficit nominal é todo resultante de juros. Tem que baixar.” A afirmação, enfática, em conforme com o estilo da autora, é a economista Maria da Conceição Tavares, em entrevista ao site da Agência Carta Maior.

Pelos ares
Do engenheiro Cristiano Prado, do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico (Ilumina), defendendo a prorrogação da concessão das estatais do setor elétrica, alvo de lobby de entidades empresariais: “Com o setor privado, boeiros explodem, o fornecimento é dúvida e as tarifas dispararam sem razão técnica visível.”

Padrão explosivo
D”Araujo alertou ainda, em palestra no Clube de Engenharia, no Rio, para o risco de novo processo de privatizações no setor elétrico.  “Após o racionamento, as tarifas subiram entre 26% e 30% em função da receita perdida pelas distrituidoras, mas, para as estatais, embora sejam obrigadas a gerar energia, por lei, seus preços foram mantidos fixos por oito anos.” Essa descapitalização, segundo D”Araujo, fará as estatais entrarem em desvantagem no processo de renovação das concessões no setor.

Livre para voar
Nesse processo, lembra o engenheiro da Coppe, trocaram-se hidrelétricas baratas por térmicas caras: “Pernambuco, por exemplo, descontratou energia hidrelétrica das estatais para comprar das térmicas pagando três vezes mais”, acrescentou, informando que a volatilidade dos preços no “mercado livre” – mecanismo que fez dispararem as tarifas – chega a 170%, enquanto nos países nórdicos, a média não supera os 30%: “Isso é fatal para o planejamento”, resume D”Araújo.

Efeito UPP
A Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou emenda do deputado Paulo Ramos (PDT) no valor de R$ 500 mil para aquisição de 32 câmeras para controle de cinco acessos da Região Oceânica de Niterói. Muitos bandidos em fuga das UPPs estão indo para a antiga capital do estado e para municípios do Interior. É um dos efeitos da ocupação das favelas sem prisões.

BB no morro
O Banco do Brasil inaugura nesta quinta-feira, com direito a presença do governador Sérgio Cabral (PMDB), agência na Rocinha.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÓpio virtual
Próximo artigoFonte

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...